Crítica | Cinquenta Tons Mais Escuros

OK, por onde começar? Queria realmente poder dizer coisas boas sobre este Cinquenta Tons Mais Escuros, mas não tenho. O longa, que dá continuidade à franquia iniciada com Cinquenta Tons de Cinza, é um mosaico de sequências constrangedoras, intercaladas com cenas de sexo e sadomasoquismo que faz seu antecessor parecer uma obra-prima.

Após ter deixado Christian (Jamie Dornan), Anastasia (Dakota Johnson) tenta seguir sua vida trabalhando como assistente do editor Jack Hyde (Eric Johnson). Certo dia, ela é convidada por seu amigo Jose (Victor Rasuk), que nutre sentimentos por ela, a prestigiar sua exposição de fotografias. Seria totalmente normal se a exposição não fosse só de fotos de Anastasia. Durante o evento, ficamos sabendo que um anônimo comprou todas as fotos de Jose. No segundo seguinte, descobrimos que Christian havia comprado as fotos (ah, vá!). Ele reencontra Ana na exposição disposto a tê-la de volta, só que agora a moça ditaria as regras do jogo. À medida que o relacionamento dos dois se desenvolve, novas tensões surgem para “perturbá-los”: Ana começa a ter conflitos com seu chefe; Elena Lincoln (Kim Basinger), a mulher que abusou de Christian na infância, passa a ser cada vez mais frequente na vida da família Grey; e Leila (Bella Heathcote), uma jovem que experimentou os gostos peculiares de Christian no passado, volta para ameaçar a vida de Ana.

Se você pensa que a sequência corrigiu os muitos erros do filme anterior, engana-se profundamente. Mais uma vez, Cinquenta Tons Mais Escuros romantiza o relacionamento abusivo de Christian e Ana e parece não ter aprendido a diferenciar fetiche de abuso. Christian continua a ser um homem extremamente controlador, que mantém até mesmo um arquivo com dossiês das mulheres com quem se envolve. Reparamos isso quando vemos que um dos presentes que dá a Ana é um celular, dispositivo através do qual os dois têm uma briga sobre uma possível viagem de Ana com seu chefe. Outra cena na qual constatamos que a mania de controle de Christian não mudou é quando Ana recusa o cheque de cinco dígitos que o protagonista lhe dá de presente e, ao ver que a moça recusou, Christian realiza uma transferência bancária por telefone para a conta de Ana. Detalhe: ela não havia contado para ele os dados da conta bancária.

Não obstante, percebemos que o caráter de Christian é ainda mais perturbador ao conhecermos a personagem Leila, uma das mulheres do passado de Christian, a quem chama de “submissas” (???). Leila é a materialização de todos os efeitos danosos que relacionar-se com um homem como Christian ocasiona. É uma jovem instável, emocionalmente dependente da atenção de Christian e que não consegue se desprender do homem que a abusava. Isso fica mais evidente na cena em que Leila, armada, invade o apartamento de Ana. Christian a desarma e manda a moça se ajoelhar, ordem que é imediatamente obedecida para o espanto de Ana e de toda e qualquer pessoa minimamente sensata que por acaso esteja assistindo ao filme.

Mesmo vendo que Christian não apresentou nem metade das mudanças que ele jurava apresentar, Anastasia lança-se de corpo e alma nesta jornada de autodestruição a qual chama de relacionamento. Em um instante, Ana se incomoda por ele estar invadindo sua vida até mesmo no campo profissional, fica assustada quando percebe a semelhança dela e de outras “submissas” com a mãe de Christian, indigna-se com o tratamento que Christian dá a Leila e com o fato de manter uma relação amistosa com Elena. No outro, a moça se deixa satisfazer seus desejos mais íntimos com os jogos sexuais de Christian nos lugares mais inusitados possíveis (desde uma festa na mansão dos Grey, passando por uma cena em pleno restaurante e até no elevador, com algumas outras pessoas dentro!), voltando finalmente para o quarto vermelho.

Julgar o talento de Dakota Johnson e Jamie Dornan por um produto insípido como este seria uma injustiça. Porém, não posso deixar de mencionar a cena em que Anastasia marca com um batom a área sensível do torso de Christian, cena esta na qual o rapaz geme de forma embaraçosa, capaz de despertar gargalhadas de quem quer que esteja assistindo. E eu não culparei estas pessoas, pois a cena é de uma vergonha alheia abismal. Enquanto isso, somos obrigados a presenciar atrizes como Marcia Gay Harden e Kim Basinger sendo desperdiçadas em momentos constrangedores que nem mesmo novelas brasileiras seriam capazes de conceber.

Não precisaria de um texto deste tamanho para descrever o desperdício que é assistir a Cinquenta Tons Mais Escuros. Um filme que, ironicamente, nada tem de excitante e que faz com que o espectador saia do cinema nem um pouquinho satisfeito. Sem sequer pensar no “quero mais”.

Por Lucas Ferreira

LoGGado

Notícias, Críticas, Reviews e Podcasts descontraídos sobre o mundo das séries, filmes, cinema, TV, música e entretenimento!!