Lucifer | 3×13 – Til Death Do Us Part

Quando um seriado é tão amorzinho que te traz um episódio bem fofurinha igual a este, não tem como não amar. E este é o caso de Lucifer e seu roteiro. Ainda tentando descobrir o que pode matar Marcus, nosso anjo decide tentar de tudo, inclusive a lâmina demoníaca de Maze forjada no inferno. Mas não funcionou, até que o caso do dia entra no meio de tudo isso e Lucifer decide entender um pouco mais de Pierce e sobre o que ele tem medo, qual sua fraqueza… Realmente fazer uma terapia assim, como foi quando ele descobriu que Chloe o fragilizava. Porém, as coisas vão um pouco mais além quando a polícia precisa descobrir mais informações sobre o assassinato de uma mulher que aparentemente não tinha nenhum inimigo.

E como nem tudo são flores, Decker e Daniel descobrem que ela, na verdade, vendia drogas na linda vizinhança em que morava. Uma droga parecida com ecstasy, só que tão forte que tinha efeitos mais duradouros. As primeiras suspeitas de matarem a cientista/vítima realmente cai sobre os traficantes para quem ela trabalhava, já que ela deixou o laboratório e estavam à sua procura. Contudo, logo após Lucifer conversar com o chefe dela e convencê-lo a se entregar para a polícia oferecendo um acordo bem atraente, descobre-se que eles não tiveram envolvimento algum, uma vez que queriam a mulher viva.

Logo, Lucy e Marcus pagam de casal suburbano do dia (Chloe avisara que era a detetive do caso anteriormente) e isso nos rende cenas lindas, como ver o nosso querido anjo ser uma dona de casa maravilinda e Pierce pagar de marido durão e meio antipático com os vizinhos. Gente, não tem como não rir quando o Tom Ellis começa a pagar de bicha louca no meio da rua para provocar a raiva de algum vizinho, na esperança de capturar o assassino. Sério, alguém dê um prêmio para esse menino, pelo amor!

No final das contas, Chloe decide mudar o ponto de vista para encontrar o culpado e acaba dando certo. A esposa ciumenta tão simpática, na verdade, não suportava mais os encontros escondidos do marido com a vítima, pena ela só descobrir a verdade depois. E, claro, agradecemos pelas cenas de DR também entre o Lucifer e o Marcus, que colocaram a roupa suja toda para lavar ainda sob o disfarce de casal fofo. O que achei mais incrível foi a Chloe ficar com ciúme ao ver os dois se beijando e depois levando um fora bem educado do Pierce quando o caso foi resolvido. Toma! Ninguém mandou querer mais de um ser celestial, gata.

Falando ainda em relacionamentos, vimos um plot até interessante da Maze se sentindo atraída pela Charlotte durante o episódio. Foi bem engraçado, já que a advogada realmente não reconhece Maze e, ao perguntar, ouve que as duas são e sempre foram inimigas mortais. Até a sacada de Daniel tentando sugerir um threesome com as duas foi legal. Mas, no final, nossa demônia acabou descobrindo que estava atraída era pelo perfume de dor e angústia ainda tão presentes na advogada bem-sucedida. E até isso foi mais interessante do que ver a Maze tentando descobrir sobre o casal Amenadiel e Linda – ninguém liga para isso, essa é a verdade.