Salvation | A vida na Terra corre perigo… de novo

O novo drama da CBS conta a história do estudante de graduação do MIT (Liam Cole) e uma estrela da tecnologia (Santiago Cabrera) que, juntos, levam a uma funcionária do Pentágono (Jennifer Finnigan) uma descoberta surpreendente: em seis meses um asteroide irá colidir com a Terra.

Posso definir o piloto de Salvation como um “quase lá”. A trama principal é até interessante, mas nada inovadora. O desenvolvimento do primeiro episódio não mostra quase nada dessa nova história a ser contada. Basicamente é resumida aos seus três personagens principais e como eles se unem para salvar uma parte da humanidade, já que está chegando uma ameaça que acabará com a vida na Terra.

Neste começo, não dá para notar uma química mínima sequer entre os três personagens principais, que irão trabalhar juntos daqui para frente. Mesmo em um piloto, diversas séries conseguem fazer isso acontecer, mas aqui não é o caso. Além da falta de química, carisma é algo que dois dos três não possui. O único personagem que te deixa com curiosidade de acompanhar o desenvolvimento é o Charlie, o estudante que faz a descoberta do asteroide. Apesar de ele ser um nerd apaixonado por aquilo que estuda, não é clichê. Não é aquele cara isolado, tímido, que demora dias com suas dúvidas e problemas pessoais para resolvê-los, mas nem ele consegue salvar o que os três juntos podem ser. Grace, a funcionária do Pentágono, é o ponto mais fraco dessa nova equipe. Não dá para saber se é a atriz ou a personagem que é apática, fazendo com que não nos importemos o mínimo com ela.

A série é um drama. Se você for assistir esperando que seja um Sci-Fi, com altas explicações mirabolantes e com twists de quebrar a cabeça, além de inúmeras teorias na internet, já pode ir desistindo, pois não é sobre isso. Nota-se, pelo menos durante esses 40 minutos de história, que a trama vai focar no dilema de escolher as pessoas para entrar na arca a ser construída e de que jeito, quando e por qual motivo elas devem ser salvas. Isso em contrapartida com seus dilemas pessoais.

Mas claro que também é apresentado algo que acontece por trás de tudo isso: uma organização secreta, ou até o próprio Pentágono, que dá um fim trágico em todas as pessoas que “sabem demais”. A todo momento ficamos com a sensação de “agora vai”, mas acaba não indo a lugar nenhum. O piloto termina sem um gancho bom que te faça querer continuar assistindo e que te encha de curiosidade para acompanhar o desenvolvimento da trama.

Mais uma vez, foi tudo muito “quase”. O trio de personagens poderia ser interessante por ser diversificado em suas profissões e estilos de vida, mas eles não conseguem nos cativar. A história é interessante, mas pouquíssima trabalhada, e passa a sensação de ficar estagnada. Salvation poderia ser aquela série com algo a mais, e até chegou perto de alcançar tal potencial para isso, mas infelizmente não conseguiu neste piloto.