Doidas e Santas | Saiba tudo o que rolou na coletiva de imprensa do novo filme de Maria Paula

Na próxima quinta-feira, 24, estreia o longa inspirado na obra de Martha Medeiros, Doidas e Santas, estrelado pela atriz Maria Paula e dirigido por Paulo Thiago. No filme, Maria entra em cena como Beatriz, uma escritora e terapeuta de casais que ao ver seu próprio casamento desmoronar, se reinventa e começa uma jornada de autodescobertas em busca da felicidade. Para divulgar o longa, parte do elenco e o diretor se reuniram em uma coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (21), no Rio de Janeiro, para falar um pouco mais sobre a trama. Nós estivemos lá acompanhando tudo o que rolou durante o bate-papo.

Logo no começo, o elenco foi questionado sobre suas relações com seus personagens e como foi a construção particular de cada um deles. A atriz Nicette Bruno, que interpreta Elda, mãe de Beatriz no longa, contou que estava muito feliz em poder participar do filme e falou sobre a admiração por sua personagem, que é extremamente autêntica e ama aproveitar a vida ao máximo. Em seguida, foi a vez de Maria Paula falar sobre a experiência. A atriz estava radiante contando sobre como recebeu o roteiro e abraçou a ideia. Durante a conversa, inclusive, se declarou grande fã do livro e da peça que inspiraram o filme.

Georgiana Góes interpreta a irmã ativista de Beatriz, Berenice, e disse que se identifica com sua personagem em diversas formas. “Se eu não fosse atriz, talvez eu realmente fosse para o oceano salvar baleias“, contou a atriz, fazendo referência à uma das cenas de sua personagem no longa. O ator Marcelo Faria, que dá vida a Orlando, marido de Beatriz, explicou sobre a conturbada e inesperada relação com Elda, sua sogra. Ele também falou sobre como seu personagem é um elo importante para a família. “Ele passa isso quando mostra que tem um tipo de relação com a sogra que nem a esposa sabe. A picuinha é muito mais do dia a dia do que com relação ao amor que existe entre eles“, disse o ator.

Com relação à filha Marina, interpretada pela atriz Luana Maia, o ator completou dizendo que seu personagem também serve como uma segurança para a família. Segundo ele, Orlando também tem grandes influências no crescimento da jovem, apesar de, às vezes, ele parecer mais ausente do que realmente é. “Eu acho que esse filme mostra muito o que nós somos na família brasileira, o que é ser uma grande família mesmo. E [o filme] mostra a relação gostosa que é. Apesar de ter brigas, desafetos ou situações difíceis, eles todos se amam“, completou Marcelo.

Já a atriz Luana Maia, que está estreando nos cinemas, falou sobre o aprendizado que o filme lhe trouxe e brincou dizendo que se identificou muito com sua personagem, principalmente porque sua mãe também tira o seu celular quando a deixa de castigo. Para a atriz, que atualmente tem 16 anos (ela tinha 14 quando o longa foi rodado), sua personagem teve papel fundamental na mudança do rumo de Beatriz na história. “Eu acho que a Marina foi uma razão muito importante para a Beatriz decidir mudar a vida dela para dar mais atenção para a família“, explicou Luana.

Em seguida, Maria Paula também comentou sobre a mudança de sua personagem. Para ela, Beatriz passa por diversos “sustos” que a tornam mais forte para continuar a escrever sua história – literalmente, já que em meio à tantas situações e problemas pessoais, ela ainda precisa finalizar seu novo livro a tempo. “Ela tinha que se reinventar de alguma forma, mas estava esperando e adiando. Às vezes a gente leva uns sustos da vida que parecem uma coisa ruim ou desafios difíceis, mas que, na verdade, são grandes oportunidades de mudança. E a gente precisa deles pra ter coragem de se jogar e se reinventar“, ressaltou Maria Paula.

A conversa, então, se direcionou ao diretor Paulo Thiago, que falou sobre a dificuldade de se fazer comédia ou, como ele próprio disse, neste caso, uma dramédia, já que o filme Doidas e Santas consegue dividir bem essas situações e fazer o público rir e chorar ao longo da trama. “Rir não é uma coisa boba. Rir é algo que você sente profundamente. Por incrível que pareça, fazer rir é mais difícil do que fazer chorar“, afirmou o diretor, que geralmente costuma trabalhar em filmes de drama.

O diretor também comentou sobre o nome do filme, inspirado na obra de Martha Medeiros. O título Doidas e Santas, na verdade, se trata de um trecho de um poema de Adélia Prado, que aborda as questões das loucuras femininas e a santidade. Ainda falando sobre o livro que, antes do filme, já havia sido adaptado ao teatro e estrelado por Cissa Guimarães, sendo sucesso de público até hoje, a equipe presente foi questionada se eles tinham receio do longa não atingir as mesmas expectativas que suas obras antecessoras. Paulo Thiago logo negou, afirmando que as três versões são afastadas umas das outras. No caso do filme, segundo ele, há personagens que não existem na história de Martha Medeiros ou na adaptação teatral. O diretor também destacou a importância do distanciamento da peça, uma vez que, ao fazer exatamente a mesma história, o loga se tornaria apenas um teatro filmado, o que, claramente, não era o objetivo.

Um dos assuntos abordados durante o bate-papo foi a forma com que o diretor optou por contar uma das principais reviravoltas do filme a partir apenas dos movimentos de câmera. Segundo Paulo, ele gosta de ver como as cenas vão se formar quando já está presente no set, observando os atores e os cenários e vendo onde cada detalhe pode ser encaixado na história. Ainda de acordo com o diretor, o improviso é algo muito comum em seus sets de filmagens. “Eu crio muito no set. Eu acho que o filme nasce ali, nasce com os atores, com as pessoas“, disse.

Com a coletiva caminhando para o fim, Nicette Bruno falou sobre suas cenas extremamente divertidas, principalmente quando sua personagem aparece em fotos fazendo uma tirolesa. “Vou te dizer uma coisa, se ele [Paulo Thiago] tivesse vontade, eu faria“, brincou. A atriz também contou como foi contracenar com uma iguana e, segundo ela, sua primeira preocupação foi como faria para segurá-la, mas já estava se acostumando logo em seguida. “Primeiro eu fiquei apavorada, mas então fui me preparando, deixando de ser eu para ser a Elda. Depois dei até um beijinho nela!“, revelou Nicette, que arrancou risadas dos presentes no local. Logo em seguida, Maria Paula conduziu a despedida da coletiva e agradeceu a equipe e ao elenco por participarem do projeto, que marca a sua primeira protagonista nos cinemas.

Doidas e Santas estreia na próxima quinta-feira, 24 de agosto, nos cinemas de todo o Brasil e podemos dizer que o filme está divertidíssimo de se assistir. Não deixe de conferir!