PokéStop | #16 – Pokémon 5: Heróis

O quinto filme da franquia Pokémon segue a mesma fórmula que todos os anteriores já haviam apresentado, porém, desta vez, sem inovar em absolutamente nada, salvo alguns pontos que mostram uma variação do que acontece na história. Mais uma vez temos Ash se tornando um herói aleatoriamente, sendo que ele nem de longe é a maior ligação com o Pokémon lendário em destaque no filme. Assim, Ash se torna o grande salvador da pátria, mesmo que, no final, quem salva tudo e todos é excepcionalmente o Pokémon.

Até a introdução, que conta mais ou menos o que vai ser a motivação de toda trama, este longa é igual aos quatro primeiros. E os filmes lançados após este também seguem a mesma fórmula, cansando o espectador que acompanha a franquia. Não é à toa que conforme assistimos todos os longas que vêm a seguir, lembremos apenas de um ou de outro, os mais marcantes, que pelo menos inovam, no mínimo, em sua história. Já os que são como este ficam esquecidos na mente.

Se pararmos para analisar, a fórmula é bem parecida com a do segundo filme, quando o principal vilão quer capturar os Pokémon lendários, além de ter alguém/algum Pokémon que se sacrifica para que tudo isso pare, assim como no primeiro longa. O problema aqui é a falta de criatividade com tudo o que foi feito e sabemos que a trama poderia ter sido trabalhada de uma maneira melhor.

Misty e Brock, mais uma vez, são elementos esquecíveis, sem importância alguma para a trama principal. Eles estão ali apenas para observar o laço de amizade que Ash criou com Latias. As lutas são boas e bem empolgantes, como todas as dos outros filmes, isso não dá para negar, mesmo na parte em que fósseis se levantam do nada por alguma espécie de poder e participam da batalha. Até a corrida na água, logo no começo, é empolgante e bem feita, nos iludindo e nos fazendo achar que o filme todo vai ser assim, mas não é.

O longa tem um cenário lindíssimo. Como foi baseado em Veneza, eles capricharam para deixar mais fiél, ao estilo Pokémon, possível. Cada cena mostrada é totalmente bem trabalhada e bem feita, comos e vários cartões postais tivessem vida durante essa uma hora e dez minutos.

A única coisa de diferente é que temos a primeira morte de um Pokémon durante o filme. Latios se sacrificada para salvar a cidade e é bem emocionante, mas como você se cansa ao longo do filme, toda a emoção que poderia ter sido trabalhada até este momento em que o Pokémon já está cansado de tanto batalhar, deixa a desejar.

A parte interessante que entra em discussão até hoje é que Latias, ao se transformar em uma menina, se despede de Ash com um beijo. E a dúvida que fica é: foi na boca ou não? Mas isso é algo para gerar um pouco de burburinho em um filme bem qualquer coisa.

Pokémon 5: Heróis traz a mesma fórmula dos filmes anteriores da franquia, mas não inova. Isso torna a animação monótona, sendo apenas legal assistir as batalhas e acompanhar a beleza do cenário em questão.