Supergirl | 3×07 – Wake Up

Já é padrão entre as séries da CW acelerar a narrativa da temporada depois de um episódio filler, mas o que aconteceu em Wake Up superou todas as expectativas. Vilã da temporada revelada e a volta do Mon-El para o presente são dois eventos muito grandes para um episódio só, mas de alguma forma tudo acabou se encaixando bem.

O retorno do ex-namorado da Kara foi com certeza a maior surpresa. Isso aconteceria eventualmente, mas o momento escolhido foi bem inesperado e, só para surpreender mais ainda, acabou sendo uma boa ideia. A volta de Mon-El significa que Kara vai passar por alguns momentos desagradáveis, tendo que lidar com essa nova realidade na qual o homem que ela ama agora está com outra. Porém, ao mesmo tempo, ela perde o peso nas costas que carregava por se sentir culpada em abandoná-lo. Já ficou claro no episódio que a personagem principal vai passar por uma quantidade enorme de sentimentos, e esse tipo de situação sempre gera boas cenas nesta série, então fica a torcida para que tudo o que vier daqui pra frente seja pelo menos tão interessante quanto aquilo que o episódio mostrou.

Mas além dessa consequência imediata ainda existe outro fator, este infinitamente mais promissor para o desenvolvimento desta história em longo prazo: essa é a deixa da série para a introdução da Legião dos Super-Heróis! Algumas das mais interessantes histórias da Garota de Aço envolvem a Legião e as possibilidades que a introdução deste grupo trazem para a série são enormes. Não dá para saber como os roteiristas vão lidar com isso, mas só o fato de que essa equipe agora existe no universo da série cria uma constante expectativa de algum enredo envolvendo viagem no tempo onde a Supergirl luta contra inimigos muito diferentes (até porque mais um alienígena que quer destruir a Terra já seria demais).

Justamente por ser tão promissora, essa parte da história acabou desviando a atenção do enredo envolvendo a atual vilã da temporada. A premissa é bem diferente das temporadas passadas, mas é a terceira vez que o grande inimigo é uma alienígena do sistema solar de Krypton tentando causar algum dano ao planeta. Seja a tia da Kara, a mãe do Mon-El ou agora a Reign, todas essas personagens possuem características bem marcantes em comum, o que pode dar a impressão de uma reciclagem de roteiro. Enquanto os roteiristas conseguirem manter as histórias dessas personagens e suas motivações diferentes, não haverá muito problema, mas para o próximo ano é bom ir pensando em algo novo.

Por enquanto o que importa é que a Reign promete muito nesta temporada. Não sabemos ainda se ela passará por uma mudança de personalidade, se poderá mudar a forma de agir dependendo da situação, só sabemos que ela despertou e que pode ser a maior vilã até aqui. Se seguir os quadrinhos, a Worldkiller é uma arma criada pela engenharia genética de Krypton e, por mais perigoso que isso possa soar, ela não é a única. Talvez a personagem receba um aumento de poder para ser claramente superior à Supergirl, ou talvez os outros Worldkillers apareçam, mas de qualquer forma essa pode ser a maior ameaça vista até aqui.

Wake Up foi um grande prólogo do que está por vir, dando o pontapé inicial em duas histórias muito boas e cheias de possibilidades, além de ser um ótimo episódio. Supergirl é a mais promissora entre as séries da CW por enquanto, agora é só torcer para que toda essa expectativa seja correspondida.