Scandal | 7×09 – Good People

Mais uma semana que chega e Scandal nos apresenta, novamente, um episódio mediano e com um roteiro que está enrolando o espectador. A série já teve momentos assim e não incomodou tanto, mas já que estamos falando de uma série criada por Shonda Rhimes, o que queremos é ver uma temporada final boa e alguma coisa nova, que não nos deixe entediado, mas esse não foi o caso deste nono episódio.

Quando o drama voltou do hiato, os escritores deixaram bem claro que Quinn não estava morta e sim só desaparecida, apesar dos personagens acharem ao contrário e terem seus momentos de humanidade. Já neste episódio, com alguns flashbacks também, Scandal nos mostra, ao som da música “L.O.V.E”, de Nat King Cole, como Papa Pope orquestrou a “morte” da personagem e vemos uma grávida Quinn confrontar seu ex-chefe, que diz a verdade a ela: todos pensam que ela fugiu.

E enquanto os flashbacks mostram para o espectador como Quinn lidou com Rowan e as mentiras, vemos também a cena em que Rowan faz a revelação à Olivia durante um dos jantares em família dos dois, em uma conversa bem saudável daquelas que só Scandal sabe proporcionar. A série vem pecando em vários aspectos, mas a ironia das cenas, do roteiro e da escolha das músicas continua sendo o destaque. Talvez este episódio tenha sido maçante por conta dos personagens em questão, já que foi muito bom ver Quinn de volta e obviamente constatar que ela não estava morta, mas o excesso das cenas com o pai de Olivia pode ser um tiro no pé às vezes, mesmo que o ator seja ótimo.

E foi isso que aconteceu, os flashbacks do cativeiro de Quinn foram extremamente chatos, e no meio do episódio ainda vemos uma das cenas mais bizarra do mundo: Papa Pope comprando um berço para o filho de sua raptada. A audiência da série provavelmente deu muita risada com tudo isso, e vou defender os escritores um pouco: o episódio funcionaria em qualquer outra temporada do seriado, então, para mim, é uma pena que esse filler tenha surgido agora no meio daquela que era para ser a melhor temporada da série.

Ao longo dos extensos 40 minutos, ainda vemos Quinn delirando com Huck e desabafando sobre Olivia ser um monstro, e aparentemente ela é a única personagem que ainda lembra do assassinato que Liv cometeu antes da pausa da série. Temos também uma aparição de Jake no flashback, ouvindo os lamentos e murmúrios de Papa Pope, já que o personagem está virando quase um Fitz 2.0 e parece ter perdido a utilidade na série, mesmo em um episódio que mostre algumas semanas no passado.

O ponto de vista de Rowan nos mostra tudo: o porquê de Liv ter escutado dois tiros e o motivo pelo qual ele não a assassinou a sangue frio, além de Rowan ter ajudado com o parto de sua outrora pupila do B613, ganhando (por minutos) a aprovação dela em uma cena que demonstra exatamente o que é Síndrome de Estocolmo. Em resumo, Scandal não apresentou nada novo em seu episódio e mostra que o hiato fez realmente mal à série, cheia de pendências a resolver e introduzindo episódios fillers.