Arrow | 5×17 – Kapiushon

Recentemente assistir Arrow traz a sensação de ganhar um prêmio. A impressão que tive vendo esses últimos episódios é a de que o público está sendo recompensado por sua perseverança. Para aqueles que suportaram a dura provação que foi a quarta temporada, este último ano da série traz um alívio enorme porque com ele Arrow voltou aos seus melhores momentos. É verdade que estou sendo extremamente dramático, mas o que importa é que todos entendam a ideia.

A saga de Prometheus chega a um de seus pontos mais cruciais, e o roteiro foi tão bem amarrado que Kapiushon não só trouxe momentos incríveis no presente, mas também explorou os flashbacks de uma forma que não era feita há muito tempo. O passado de Oliver vem sendo revelado ao público ao longo dos últimos cinco anos, e agora que sua história longe de Star City está próxima do fim nós finalmente somos capazes de entender um pouco melhor o personagem principal. A série foi criticada no começo por ser muito sombria pelo fato de que o Arqueiro parecia uma versão sem capa do Batman, e os roteiristas não se esqueceram disso. O caminho do Oliver em direção ao assassino que vimos no começo da série foi explicado, finalmente temos o último passo de sua evolução até aquele momento. É óbvio que tudo isso não estava planejado quando Arrow começou, mas ver o esforço que foi feito para explicar o começo da história realmente é muito bom.

E além de ser uma boa ideia, o roteiro também foi muito bem executado. A presença de Oliver na Rússia foi a melhor coisa dos flashbacks desde a época em que ele e Sara estavam lidando com Slade Wilson, e muito disso se deve ao elenco. Stephen Amell (Oliver), David Nykl (Anatoly) e Dolph Lundgren (Kovar) conduziram muito bem seus personagens até o clímax que vimos neste episódio, e definitivamente merecem reconhecimento por isso.

No presente, a história de Prometheus não fica nada atrás em qualidade, e o que vimos foi uma das situações mais complicadas já enfrentadas pelo personagem principal. A tortura nas mãos de Adrian Chase foi intensa e a incapacidade do Team Arrow em salvá-lo não passou despercebida. No passado, Oliver já enfrentou o líder da Liga dos Assassinos, além de enfrentar um antigo membro do mesmo grupo que possuía poderes mágicos impressionantes, e mesmo assim o perigo para ele e para sua equipe nunca pareceu tão real e desesperador. Prometheus foi construído para ser o nêmeses de Oliver Queen e é a primeira vez em muito tempo que o roteiro deixa claro o quão difícil é a situação. Não foi necessário matar um personagem na hora errada para fazer o vilão parecer forte, dessa vez a história se encaixou perfeitamente e Prometheus convence muito bem.

A volta da Evelyn também foi um ponto interessante. Acho que todos já estavam se perguntando onde ela estava, já que parecia que tinha sido esquecida. Não só ela voltou, mas sua ausência tinha sido planejada para que ela pudesse ser usada como uma arma contra o Oliver. Isso foi uma ideia muito boa e muito inesperada.

Em um dos melhores momentos de sua história, Arrow traz uma qualidade consistente e muito alta. Agora tão perto da reta final se o nível continuar assim, parece que a segunda temporada pode não ser mais tão incontestável no posto de melhor ano da série até aqui.