DC’s Legends of Tomorrow | 3×01 – Aruba-Con

É hora de voltar para a Waverider e viajar no tempo novamente com as Lendas do Amanhã em seu terceiro ano, que retornou mais sem noção do que nunca… E isso é muito bom! Depois de uma segunda temporada coerente e bem feita do início ao fim, mesmo com alguns pontos que poderiam ser melhores, DC’s Legends of Tomorrow precisaria se reinventar sobre o que traria para uma nova história. Após esta premiere, ainda não ficou claro qual o objetivo que eles precisarão seguir, a não ser voltar a viajar na Waverider e reunir seus companheiros de equipe, e o episódio foi divertido!

Assim como nos dois anos anteriores, Legends sempre foi algo mais descompromissado. Ao invés de focar no lado obscuro dos heróis, eles nos trazem uma equipe divertida como uma família muito disfuncional e que, no fim, um sempre completa o outro. E isso foi o que vimos neste primeiro episódio da terceira temporada. Porém, mais uma vez, Rip Hunter continua a ser o pior personagem entre todos. Primeiro a trama da família dele, depois ter se tornado um vilão e voltado para o lado certo, e agora com uma nova organização dizendo A TODO MOMENTO que não precisa mais das Lendas para arrumar o que causou no tempo. O personagem já deu o que tinha que dar e está sendo utilizado muito mais do que deveria. Os produtores precisam ver que ele não funciona mais, se é que um dia funcionou, e focar nos que realmente trazem algo de bom e divertido para a série.

A equipe que Rip montou deu a entender que eles serão os novos Mestres do Tempo, assim como na primeira temporada, que só serviam para tapar buracos e não acrescentavam nada de interessante à trama. Apenas um aglomerado de gente chata que o público não vê a hora de tudo aquilo acabar. Quanto às Lendas, novamente, os melhores personagens que acompanhamos o crescimento e como estão desde a finale da segunda temporada são Sara, Nate e Amaya. E este casal terminou, pois aparentemente Amaya quis voltar para proteger o seu povo em Zambezi, isso faz com que ambos se tornem mais interessantes. Além disso, algo que empolga bastante é quando a Vixen aparece muito mais poderosa e brutal.

Sara, assim como os dois, é realmente interessante de se acompanhar. Cada tipo de decisão que ela toma, como ela luta… Isso mostra cada vez mais o poder feminino e como os homens ao seu redor, nesta trama com Julio Cesar, precisam se provar, pois sozinha ela é melhor do que muitos por aí.

Aruba-Con não apresentou nada demais em relação às outras premieres das séries de herói da DC na CW, nem mesmo qual será seu foco principal na temporada. Porém, mais uma vez, mostrou como é divertido acompanhar a vida desses personagens tentando arrumar a bagunça que fizeram no tempo e, claro, com muita referência à cultura pop e nerd.