Supergirl | 3×04 – The Faithful

Depois de um ótimo terceiro episódioSupergirl retorna apresentando um dos de seus capítulos mais estranhos até aqui. Com uma boa premissa, mas execução um pouco falha, The Faithful precisa ser analisado com cuidado antes de se tentar tirar conclusões.

Ao apresentar para o público essa igreja que prega a divindade da Supergirl, a série entrou em um rumo interessante, mostrando algo que facilmente aconteceria caso heróis fossem reais. Mas essa ideia não foi muito bem trabalhada. Desde a forma como aqueles salvos pela Garota de Aço encontraram sua fé, até a forma com a qual essa crença sumiu, tudo ocorreu muito rápido. Este é o tipo de enredo que poderia se desenvolver ao longo de alguns episódios e, com isso, apresentar questionamentos interessantes, mas tudo acabou ficando raso demais. É provável que esse tema volte a aparecer, mas dificilmente será algo muito explorado, e isso é uma pena.

Outro ponto complicado é a facilidade com a qual qualquer coisa vinda de Krypton chega à Terra. A cada momento é um novo alienígena ou nave que foram mandados para o nosso planeta. Se o (aparente) enredo principal da temporada não fosse outra kryptoniana que também conseguiu fazer essa viagem, talvez tudo parecesse menos exagerado, mas infelizmente esse não foi o caso.

E falando na outra kryptoniana, Samantha finalmente está se tornando mais interessante. A personagem não tem nada de errado, mas acompanhar a vida de uma mãe tentando lidar com a filha é algo que já vimos em incontáveis outras séries. Então, ao acompanhar isso em Supergirl, essas cenas parecem meio deslocadas e irrelevantes. Já as visões estranhas são bem promissoras e devem logo mais mudar a dinâmica do programa. Isso sem nem levar em conta a nave que está no fundo do mar, o que com certeza terá papel vital daqui para frente. Apesar do começo mais devagar, como de costume, agora já é possível ver pedaços da trama deste ano. E se agora o ritmo está mais lento, a impressão que fica é que o que está por vir é muito promissor.

E novamente, mesmo que por um breve momento, o casal Alex e Maggie roubou a cena. Mesmo com muito menos tempo de tela do que aquele que elas tiveram uma semana atrás, a história delas chamou a atenção. A questão sobre ter ou não um filho é de fato complexa, e se isso for bem trabalhado a série pode apresentar um pouco mais de drama que o normal, o que não é uma coisa ruim. Entretanto é preciso ter cuidado aqui, terminar o relacionamento delas abruptamente ou fazer a Alex simplesmente esquecer que quer um filho não deveriam ser consideradas saídas válidas. Ainda bem que levando em conta o histórico de Supergirl em momentos mais dramáticos, fica impossível discutir a competência dos roteiristas para escrever coisas do tipo. Então só resta esperar para ver.

The Faithful poderia ter sido melhor, uma vez que tinha todos os ingredientes para isso, mas não foi de forma alguma um desastre. Com um bom cliffhanger, este episódio terminou aumentando a curiosidade do público sobre o que virá a seguir, o que já é o bastante neste momento da temporada.