Blindspot | 3×10 – Balance of Might

Blindspot sempre tem uns mistérios a esconder, mesmo quando nos traz uma chuva de flashbacks para explicar perrengues do passado da Jane. Um dos flashbacks deste episódio foi para explicar como ela conheceu Clem, o homem a quem tinha pedido para encontrar a sua filha. Jane, após descobrir a verdade sobre como Kurt acabou matando a garota, desfaz o pedido, porém Clem diz ter mais informações sobre a filha e pede para encontrá-la de qualquer forma. O que não esperávamos é que eles dois tiveram um caso no passado, mas já shippo forte, uma vez que Weller está um saco na série.

O caso do dia também foi sobre um flashback. Nele, vemos que Roman ajudou alguns irmãos que estavam saindo de um grupo de concentração para irem trabalhar nos Estados Unidos. O galego, além de dizer que o homem por trás de tudo está mentindo, pede para que os irmãos liguem para Megan – a atual namorada de Reade. E quando nada faz sentido, Megan recebe a ligação e os irmãos são ameaçados de morte, mas o time de Reade consegue protegê-los. Descobre-se também que a empresa e o homem por trás de tudo são uma organização terrorista e usa os estrangeiros para criar bombas e afins. Tudo estaria sobre controle, mas o chefão é pago por ninguém menos que o novo sogro do Roman.

O que me faz pensar que esse garoto tem mais potencial criminalístico que a mãe e a irmã juntas. É simplesmente como ele anda gerindo tudo desde o desaparecimento de Jane, passando pelo fato de ter pago uma adolescente para se passar por sua sobrinha na frente do Weller e, claro, como ele anda manipulando a sua namoradinha e todos a sua volta para alcançar um objetivo bem maior.

Este que nem nós e nem o FBI está entendendo muito bem qual é. Palmas para o Roman, o novo mestre dos mistérios em Blindspot. E estamos adorando ver que a série não está mais caindo na mesmice de resolver as tatuagens, seguir um plano central e por fim a tudo. Palmas também aos senhores roteiristas por tirarem esta temporada do marasmo anterior, que estava me levando a querer abandonar o barco de vez.