The Walking Dead | 8×03 – Monsters

Leitores do LoGGado, aqui quem fala é o Negan. Sim, seu vilão favorito. Eu vou tentar não falar muito palavrão nesta review, mas se eu falar o editor corta e todo mundo fica feliz. Você provavelmente notou que eu não apareci no último episódio da série, Monsters, uma claro indício de que eu não sou o cara mau desta história… ou será que sou? Enquanto você assistia ao episódio, eu estava lá preso com o padre Gabriel, mas Deus não pode salvá-lo, isso eu garanto. Decidi então comentar o que achei do que eu vi, e olha, eu faço falta, oh hell yeah! 

Vamos falar de Jesus, esse cara realmente está decidido a honrar o nome que tem salvando a vida de todos aqueles homens que juraram lealdade a mim e que na primeira chance que tiverem vão voltar para o meu lado. Isso é óbvio, eu sei disso, você sabe disso, todo mundo sabe disso. Os coitados dos roteiristas desta série precisam criar um conflito e acharam uma boa transformar Jesus em santo. Mas esse não é um mundo para santos, não é mesmo, Gabriel? (O padre está aqui do meu lado, mas não entrou no clima).

Do outro lado temos Morgan, esse sujeito tem coragem pra fazer o que é necessário. Honestamente, se metade desse pessoal fosse igual a ele, eu não teria chance! Mas eles não são. O que dizer de Maggie? Não bastou eu explodir a cabeça do pobre… Como era mesmo o nome dele? Enfim, não bastou Lucille mostrar quem manda, eles ainda não entenderam que meus homens são todos Negan. Muito obrigado por colocar todos dentro de Hilltop! Se eu soubesse que seria fácil assim, teria usado essa estratégia antes. Até o covarde do Gregory foi poupado, e isso é um grande erro. Eu sempre me livro primeiro dos covardes, pois esses dão trabalho depois e eu não estou a fim de levar uma punhalada pelas costas, mas a viúva ainda não consegue fazer o que tem que ser feito. Eles provavelmente querem manter sua humanidade intacta, ora, todos queremos.

Do outro lado do mapa, Ezekiel, o rei – e depois eu que sou egocêntrico? -, achou bacana a ideia de matar muitos dos meus soldados. Achou que passaria sem nenhuma perda, mas que inocente! Ter uma tigresa deve ter subido à cabeça. O rei achou que não teria mesmo uma reação a todos esses ataques?! Pois todo mundo viu o que aconteceu. Os roteiristas estão ficando bons em criar cliffhangers, mas com preguiça de escrever falas decentes para Carol. E não, eu não conheço a Carol, mas me disseram que ela é badass, estou errado?

Quem eu conheço bem é aquele que não sabe de nada. Não, não estou falando do Jon Snow, e sim do nosso caro Rick. Ah, Rick, ele ficou sensibilizado ao encontrar um conhecido que não via há anos e que ninguém se lembrava. Perdemos um bom tempo vendo o diálogo dos dois, até que Daryl apareceu e resolveu o que tinha que ser resolvido. Daryl, volte para o meu time! Estamos em guerra e Daryl sabe disso, já Rick eu não tenho certeza. Melhor para mim! Novamente os roteiristas ralaram para criar um “clima de tensão” com Rick e suas escolhas pessoais. Eu não quero perder tempo com isso! Você quer? Que bom que concordamos.

Eu não estou a fim de falar mais, então vamos entender este episódio como um momento de conflito entre aqueles que estão dispostos a matar para vencer a guerra e aqueles que não. Eu, enquanto grande pacifista que sou, concordo com Jesus: depois da guerra vem a paz, e é melhor mostrar misericórdia, mas isso é algo que eu já faço, não é mesmo? Não entendo a insistência desse pessoal. Quem sabe eu não apareço no próximo episódio e provo que a única forma de termos paz é respondendo a pergunta “Quem é você?” e todo mundo sabe que a melhor resposta se alguém te perguntar isso é “Eu sou Negan.” Ok, foi divertido, até a próxima, folks! E não se preocupem com Gabriel (ninguém se preocupa), ele está vivo… ainda.