Lucifer | 3×12 – All About Her

Prosseguimos da cena na qual Caim e Lucifer começaram a beber juntos na Lux. E que episódio lindo foi esse? Além de explicar várias dúvidas nossas desde o início da temporada, o caso do dia trouxe uma cena que se não fosse na Califórnia, só poderia ser no Havaí de tão fofa para os surfistas.

Caim não pode morrer, o que faz de sua vida um inferno gigantesco. Porém, ele pode sentir dor e sangrar, ao contrário dos anjos (vide o plot de Amenadiel com DST). O personagem de Tom Welling acaba confessando o rapto de Lucifer, e seu motivo foi até bem simples e real: ele só quer morrer, e ao perceber o efeito de Chloe em Lucy, ele teve que tirar o anjo da jogada para poder tentar algo. Mas não deu certo e ele perdeu as esperanças, mas também confessa não ter devolvido as asas de Lucy e nem ter tirado seu rosto demoníaco – algo que, segundo ele, só pode ter sido obra de Deus.

Irritado com tudo, Lucifer percebe que a verdade dói, e só ao desvendar o caso de assassinato com Decker é que tem outro insight sobre tudo que lhe ocorreu. Segundo sua conclusão, Deus usou tanto ele quanto Caim (que prefere ser chamado de Marcus Pierce mesmo) para seus planos maiores, que provavelmente é devolver suas asas e o levar de volta à sua natureza angelical. Mas tendo em mente isso, Lucy fecha um acordo com Pierce para que ambos se vinguem de Deus da forma mais irônica possível: matar Caim e terminar sua agonia na Terra. Como ambos farão isso ainda não sei, deve render umas cenas cômicas, claro, contudo estou confiante que os roteiristas solucionem o problema de uma maneira bem agradável ao público.

O caso do dia foi sobre o assassinato de um surfista e Daniel se propõe a investigar tudo com Chloe, já que ele mesmo é um. Ao esbarrar num grupo, ele os desafia no mar e se mostra melhor surfista que detetive, mas o grupo de surfistas não teve nada com a morte da vítima e, ao saberem do ocorrido, eles lhes prestam um funeral lindo na água. Gente, esperamos três temporadas para ver um episódio que tratasse de surfe quando a série tem como base Los Angeles, eu sinceramente estava cansada de casos sobre estrelas de Hollywood e amei essa ênfase a este esporte.

No final das contas, a culpada foi a dona de casa que registrou o corpo do morto, já que ela tinha ciúmes da praia e a considerava propriedade privada, o que, segundo a lei estadual da Califórnia, é proibido. E Chloe nem precisou de muito esforço para perceber que é ilegal colocar sinais de privatização na praia, somando 1+1 e fechando com a cara da assassina que nem uma rainha. Amei ver Decker e Lucy bebendo champanhe e vendo o sol se pôr. Romântico e lacrante ao mesmo tempo.

P.S. 1: O triângulo amoroso Maze-Amenadiel-Linda ainda vai dar muito rolo, porém ainda não compro que a nossa demônia esteja com ciúme do anjo. A shippo bem mais com a Linda ou a Chloe do que com o irmão do Lucifer. E o fato de o anjo pegar DST só me levou a pensar que ele está se tornando humano, afinal, quem vai ligar mesmo para ele ter dormido com uma prostituta?

P.S. 2: Vocês também acharam fofo o Lucy tentando se redimir com a Chloe? Tive pena quando ela gritou com ele, mas foi merecido para ele deixar de ser egoísta, o que acredito que aconteceu apenas para o lado dela mesmo.