Lucifer | 3×15 – High School Poppycock

Já se perguntaram o que aconteceria se o Lucifer fosse para o Ensino Médio? Pois é, é sobre isso o episódio da semana. A morte de uma escritora famosa entre adolescentes e adultos resulta numa investigação nova entre Decker e Lucy, já que a vítima escrevia justamente sobre os fatos vividos em sua adolescência com personagens da vida real. A princípio, tivemos até um suspeito que brigou com a autora no Twitter, mas depois descobrimos que ele era tão fã quanto amigo dela, já que a ajudou a escrever o último livro de sua saga.

Depois de muito debater, Chloe decide ir à reunião anual da turma da vítima para investigar sobre cada um dos envolvidos no livro e saber se algum deles não é o culpado. Mas antes, a nossa detetive vira a noite lendo a saga e se deixa afetar um pouco demais com todas as aventuras adolescentes dos livros, pois, segundo ela, não pode ter nenhuma daquelas experiências. Foi muito engraçado vê-la sendo cantada pelo bonitão da escola nos corredores e o Lucifer tendo que pagar de adulto responsável na investigação toda. No fim, eles concluíram que o único que poderia ter algum envolvimento com o assassinato era o nerd esquisito que não aparece nos livros, mas a esta altura o suspeito está num restaurante super chic acompanhando Maze, Amenadiel e Linda num encontro de casais.

Sobre o triângulo amoroso, deixamos para depois. Mas após entrevistar o nerd, Decker descobre que o final da saga era feliz demais para tanto drama e a única pessoa que realmente poderia ter sumido com o último livro e matado a autora é ninguém menos que o seu editor. Lucifer, apesar de ser o responsável do dia na investigação, ainda estava com uns problemas sobre um bloqueio mental para ideias de como matar Caim – coisa que ele não revela à Chloe, mas pede uma ajuda bem inusitada ao fazer algo já esperado pelos fãs desse anjo caído mega charmoso: transformar a Lux num baile particular para a Decker.

Foi fofo, foi lindo e não esperávamos menos dele. No fim, Chloe até dá uma dica para o problema que lhe é apresentado: não se pode mudar o passado. Mas o nosso anjo entende mais uma vez tudo ao contrário e resolve dar uma de Barry Allen: “Eu tenho que voltar no tempo para poder impedir meu pai de fazer o que fez”. Sinceramente, depois de mil tretas em várias outras séries estarem sendo resolvidas e colocadas diante da mudança de tempo/espaço, a última coisa que eu gostaria de ver é Lucifer acompanhar as vacas desta forma. Mas vamos dar aquela respirada profunda e rezar a Deus para que o Diabo não vire um velocista escarlate e ferre com o bom roteiro apresentado em sua série.

Antes de terminar esta review, tenho que comentar dois pontos:

1) O triângulo amoroso entre Linda, Amenadiel e Maze sendo revelado e colocando os pratos limpos na mesa. Eu sinceramente adorei o discurso da nossa demônio e até a Linda reconheceu depois que Maze tem razão. Ainda bem que ambas terminaram com o filho favorito de Deus, pois não aguento a lerdeza desse homem para relacionamentos.

2) A cena que abriu este episódio, o sonho repetitivo de Lucifer ao revelar suas asas para Chloe, me fez perceber o quanto até o próprio personagem quer que ela descubra toda a verdade e o risco que ela irá correr sobre tal assunto. Contudo, será que a mesma não tem ligação com o sumiço de sua face demoníaca e o fato de as asas não poderem mais ser retiradas, como que uma redenção do mesmo? Fica o questionamento no ar para que os senhores roteiristas possam desenvolver mais respostas a nós, fãs.