Siren | Escama só de peixe

A nova aposta do Freeform de contar a história sobre sereias em um formato de thriller finalmente estreou depois de mais de um ano do seu primeiro trailer. A série conta sobre Bristol Cove, uma cidade que é conhecida pela lenda de ter abrigado sereias e todos os seus cidadãos são obcecados com suas histórias e lendas. Então, é contada a história de Ben Pownall (Alex Roe), um biólogo marinho que um dia encontra Ryn (Eline Powell), uma garota misteriosa que ele descobre ser uma sereia.

Só pela sua sinopse e pelo que a série se propõe, já dá para esperar nada menos do que algo bem ruim, e essas expectativas são todas mantidas. Tudo o que engloba essa nova produção, do elenco aos efeitos especiais, são mal executados. Começando pela história que, mesmo sem pé nem cabeça, pode fazer algum sentido, mas que é contada de um jeito nada atrativo. Algumas coisas se resolvem de maneira rápida demais e não há nada de mistério que possa fazer o telespectador querer continuar a assistir. A ligação de Ben com as sereias e até a própria Ryn e seu motivo de estar na cidade, é praticamente tudo resolvido no episódio piloto. Então, caso alguém não queira seguir vendo a série, já consegue ter uma noção de como tudo acontece e não precisa continuar a partir dali.

Os atores são todos de um carisma zero e suas atuações não são convincentes. Não é possível se importar com ninguém. Quando o Freeform apresenta uma série deste nível, pelo menos a gente espera umas atuações bem canastras para que possamos dar algumas boas risadas, mas nem isso acontece em Siren. Todos os personagens e seus respectivos atores são bem ruins, eles não conseguem convencer ninguém da história que cada um possui e da trama a ser desenvolvida.

Os efeitos são reduzidos praticamente a uma cena… E ela é toda mal feita. Claro que o canal pode não ter um orçamento justo para que efeitos visuais melhores aconteçam, mas a partir do momento em que eles se propõem a fazer tal produção, precisam pelo menos executar suas demandas de uma maneira decente para que o telespectador consiga gostar. Os efeitos pareciam as animações 3D de quando O Clube das Winx ia para o fundo do mar… E o live-action aqui parecia mais uma animação mesmo.

Um dos grandes problemas de Siren é que ela quer ser uma série de terror, mas em momento algum causa medo. Você não se assusta e os personagens não ficam preocupados com o que está acontecendo a ponto de te causarem essa sensação. Tudo o que acontece é só um monte de ações burras das pessoas que ali estão para gerar algum momento de tensão que, no fim, é praticamente inexistente.

Siren é um grande acumulado de erros. A série demorou tanto tempo para ser lançada que poderia, pelo menos, ser um pouco mais bem produzida. Provavelmente não passará de sua primeira temporada, pois história não tem para isso.