Blindspot | 3×22 – In Memory

Blindspot termina sua temporada de maneira excelente. Seria um perfeito grand finale, não fossem as toneladas de detalhes e pontas soltas deixadas para o próximo ano. Uma vez que cada temporada tem um foco específico, esta terceira nos levou por novos caminhos e foi bom ver tudo o que foi construído sendo muito bem aproveitado. Mas agora fica a dúvida: será que o bom tom de escrita ficará para os próximos episódios? Foram tantos futuros possíveis com este final que realmente é meio imprevisível ver o futuro da série. E nós, fãs, só esperamos que os envolvidos saibam sim o que fazer com as perguntas levantadas até então.

O episódio começou com um Roman nos dizendo a seguinte frase: “Estou em casa”. E com a abertura para uma vista linda, eu já agradeci por terem feito esta deixa no início do episódio, pois ficou óbvio que tudo levaria Jane até ali, à sua casa e a um reencontro com o irmão. Claro que a casa é na África, porém até ali muito aconteceu. Como por exemplo o fato de Patterson e Rich encontrarem uma pista no vídeo deixado pelo irmão da Jane no final do episódio anterior, que os levou a alguns livros raros e isso os levou novamente a nada mais do que as coordenadas da Cidade do Cabo, na África do Sul.

Para confirmar tudo, Crawford se desespera com o sumiço de Tom/Roman e vai atrás do mesmo sozinho, deixando uma Blake desesperada nos Estados Unidos. Algo que o FBI agradeceu bastante, e ainda conseguiram manipulá-la para que ela revelasse mais sobre o paradeiro do pai. Indo até a Cidade do Cabo, Jane, Weller e Reade encontram pistas que levam a Roman e ao lugar mais sombrio na memória das crianças de Shepherd: o abrigo onde os dois cresceram, foram levados e depois o orfanato onde começaram a ser treinados. É quando vemos um Roman totalmente emotivo em cena explicando (como todo bom vilão faz no final dos grandes filmes) suas razões para querer destruir Hank Crawford: foi ele quem começou toda a organização de Shepherd, que mantou a família de Roman e Jane só para recrutar várias crianças na esperança de obter um exército leal e que obedece apenas a uma bandeira, a dele próprio.

Vingança era o que movia Roman, mas não foi bem isso que ele teve ao correr do FBI e deixar sua irmã sozinha com o terrorista. Jane acabou matando Crawford, e ao ir atrás do irmão o encontrou ferido suficiente para que ele morresse ali, em seus braços. Não vou dizer que a cena não foi linda, o reencontro de ambos nos levou a toda carga emocional das últimas duas temporadas. Tudo o que ambos passaram e fizeram para terminar ali, debaixo da sua árvore favorita de quando eram crianças… Roman se redimiu e ainda assim é o culpado de uma das maiores reviravoltas desta finale: deixou pistas para Jane em um pen drive, que leva a outros pen drives; deixou para o FBI a notícia de que sua querida irmã está morrendo do veneno que apaga memórias que ambos foram injetados; e, talvez, o pior dos mistérios, fez uma ligação para se despedir de mais alguém, ainda deixando toda uma grana para tal pessoa.

Teorias? Muitas. Os pen drives têm informações sobre todas as tattoos (antigas e recentes) e fichas médicas que podem ajudar Jane a se recuperar, a tal ligação deve nos levar de volta à Shepherd – alguém, por favor, volta com essa mulher como vilã que eu agradeço -, e a tal doença de Jane que a fez desmaiar e que fica restaurando suas memórias me soou como uma desculpa para nos mostrar a antiga Jane de volta. Esta que acordou no hospital com a sua personalidade antiga intacta e, claro, sem lembrar de nenhum acontecimento recente. O que me leva a crer que vamos ter um conflito emocional muito bacana de ver em tela, já que, além da mãe, temos sua filha para abalar as estruturas de qualquer emocional.

Ainda vimos que Weller levou um tiro. Mas por não ter cuidado direito da ferida, seu estado se agravou e o deixou correndo risco de morrer, com uma Jane fria e calculista ao seu lado na cama. Mas por falar em mulheres calculistas, tivemos a reviravolta de Tasha, que contou toda a verdade à Blake Crawford e a recrutou para o lado obscuro da força. Blake, que perdeu o pai, acabou matando Roman e aceitando o novo desafio à sua frente: deixar o mundo um outro lugar. E como eu previa, Zapata está com seus planos muito bem bolados, o que inclui ficar como crush do Reade por enquanto. Gente, essa mulher é perigosa, tô falando… Ela até pareceu com a Shepherd quando nos apresentaram-na! Para quem será que Tasha está trabalhando?

Bom, Blindspot cumpriu sua temporada de alto e bom grado. Revirou sua escrita do avesso e nos entregou cenas lindas, plots incríveis e muita ação, como sempre amamos ver na série. Mas, por ora, é com os mistérios de Roman que vamos ficar e com uma Jane sem lembrar de seu lado mais lindo, o humano. Como sua antiga personalidade vai ser explorada agora, ainda é bem difícil de saber. Só que até lá sabemos que a melhor assassina sob o comando de Shepherd voltou, mesmo que ela não se lembre de ter perdido o irmão ou ter amado o Kurt.