PokéStop | #7 – A morte de um Pokémon

Pokémon é um anime voltado para o público infantil, logo, sangue, mortes e qualquer coisa que seja mais “adulta” é meio que um paradigma para que seja explorado nas histórias da saga. Porém, algumas vezes, a morte foi algo tratado na franquia de Pokémon, mesmo que implicitamente, como a mamãe Marowak na histórias dos jogos ou no anime de Pokémon Generations, ou ainda o sacrifício de Latios no quinto filme da companhia.

Também temos a teoria de que o Raticate de Green/Blue (a versão do Gary nos jogos) morreu após a batalha que tem contra Red (a versão de Ash nos jogos) e ele é encontrado no na torre de Lavender, que é um cemitério Pokémon. Em um capítulo do mangá Pokémon Adventures uma Arbok é cortada ao meio. Mas esse Pokémon possui a habilidade de regeneração, então logo ele voltaria a ficar inteiro novamente.

E por mais que a morte já tivesse sido tratada na franquia de alguma forma, pela primeira vez o assunto foi abordado diretamente no anime que acompanha a saga de Ash e Pikachu. No episódio sete do vigésimo ano do anime fomos apresentado ao Litten, um Pokémon que rouba comidas no lugar onde vive para alimentar Stoutland, um Pokémon cansado e doente. Neste episódio, vemos todo o carinho que o pequeno de fogo tem por seu amigo doente e como cuida dele, mas é no episódio 21 que temos a conclusão de sua história.

Stoutland está ainda mais doente, cansado e magro. Mesmo Litten não tendo uma melhor relação com os humanos, é a Ash que ele pede ajuda para salvar o amigo. Depois de ser levado ao centro Pokémon, a Enfermeira Joy conversa com o jovem treinador sobre o estado de saúde de Stoutland. O garoto pergunta se ele está bem e ela responde: “Não é uma ferida ou doença. Stoutland…”, e então só mostra os dois conversando e a enfermeira balançando a cabeça negativamente sem mostrar o que estão falando.

Depois é mostrado o grande Pokémon de volta ao lugar onde vivia com o pequeno Litten. Eles dormem no local, e quando o Pokémon de fogo acorda, o grande amigo não está mais lá. O episódio traz toda uma poesia, mostrando uma árvore bem seca, com poucas folhas. Ao decorrer de toda essa trama as folhas vão se soltando da árvore, até o momento em que a última se vai e começa a chover, dando a entender que Stoutland havia morrido.

Mesmo sem mostrar explicitamente o Pokémon morrendo, o anime nos deu de presente um dos melhores episódios da franquia. Não precisou nos contar o que acontece depois: se o corpo continua,  se vira purpurina ou um digiovo. O jeito tratado foi sensato, emblemático e lindo do jeito que deveria ser. Ao final do episódio, Litten vê o velho Stoutland nas nuvens, dando assim um fechamento para a história dos dois e mostrando que mesmo depois da tempestade vem o arco-íris, e é hora de recomeçar.

Mesmo com a alteração do traço de todo o desenho, que foi criticado por muito fãs, essa nova saga de Sun e Moon vem trazendo histórias diferentes e se arriscando mais dentro do formato que já é tão batido ao longo desses 20 anos, como a morte de um Pokémon ou a Equipe Rocket e o seu momento hilário em que vencem pela primeira vez Ash e Pikachu. Isso só nos deixa mais empolgados para ver o que virá a seguir nesta saga e qual serão os novos pontos que o anime vai tratar.

E você, o que achou do episódio? Chorou mais do que quando Ash virou pedra no primeiro filme da franquia? Não deixe de comentar e nos vemos no próximo PokéStop. Até lá!