Crítica | A Vida Imortal de Henrietta Lacks

Quando a doença de Henrietta Lacks a matou em 1951, não era o fim de mais uma mulher humilde com câncer de colo de útero, mas sim o começo de uma revolução científica na biotecnologia. No entanto, o mais novo telefilme da HBO não busca nos apresentar quais avanços as células HeLa trouxeram para ciência – ainda que os citem momentaneamente –, mas sim humanizar a figura da jovem negra Henrietta Lacks, que teve o seu passado revelado graças ao empenho da jornalista científica Rebecca Skloot e da filha mais nova de Henrietta, Deborah “Dale” Lacks.

Os trunfos de A Vida Imortal de Henrietta Lacks estão justos na nota de humanização que o livro homônimo de 2010 também conseguia alcançar. Com direção e roteiro burocráticos de George C. Wolfe é, na verdade, graças à força do elenco que a mensagem do longa consegue se fazer sentir. Skloot é vivida pela sempre ótima Rose Byrne e Deborah pela poderosa e não menos sensacional Oprah Winfrey. A partir dessas duas mulheres vem a luta para tentar descobrir quem foi Henrietta (Renée Goldsberry), já que por terem perdido a mãe muito cedo nenhum dos filhos possuem uma memória clara sobre ela.

A busca pelas origens não é nenhuma novidade em produções biográficas, porém a força emocional de A Vida Imortal de Henrietta Lacks vai além ao construir seu viés mais dramático a partir da noção de que lembrar de alguém que cientificamente vive, mesmo que seja em nível microscópico, é mais doloroso do que simplesmente esquecer. Confesso que em determinado momento quando notei para onde o filme estava indo, fiquei com medo da produção apelar para o melodrama, mas felizmente não é isso o que acontece. A química entre Oprah e Rose Byrne, por exemplo, tem uma boa parcela de culpa nessa escapada do melodrama barato.

Infelizmente, no meio de toda essa procura, o espaço dado à Henrietta em si não é tão pontual quanto poderia ser, já que o texto de C. Wolfe perde um precioso tempo em mais de duas cenas que mostram surtos praticamente idênticos de Deborah e que visivelmente figuram como tentativas de gerar Emmy tapes para a personagem de Oprah. Um erro bobo e imperdoável, visto que momentos como o encontro com as células nos laboratórios do Johns Hopkins são genuinamente mais emocionantes e menos truncados.

A mensagem que fica ao final da produção pode até soar distante para quem não vive no meio científico, porém acaba se tornando efetiva para qualquer um que de alguma forma conseguiu se beneficiar dos avanços permitidos pela herança genética de uma jovem que só queria ter tido mais alguns anos de vida com os filhos, acabando, no entanto, “imortalizada” pelo que a destruiu. É doloroso, mas humano o suficiente para refletirmos sobre fé e ciência.