Supergirl | 2×19 – Alex

Algo bem comum entre as séries que integram a parceria DC/CW é a presença de episódios de qualidade que não têm muita (ou as vezes nenhuma) relação com o enredo principal da temporada. Legends of Tomorrow mostrou isso muito bem em sua segunda temporada, mas esse evento é recorrente por todas as séries, e Alex entra agora para este grupo.

Não que o episódio seja completamente descartável da história, mas 80% de tudo o que vimos não tem relevância para o andamento do enredo central. E entre todas as formas possíveis que poderiam ter explorado essa pequena parte do capítulo (a que se liga com a trama da mãe de Mon-El), acredito que os roteiristas fizeram uma das melhores escolhas possíveis. Lena Luthor é uma das personagens mais inteligentes da série, e caso a ideia seja enganá-la para preparar o território para o final da temporada, isso não poderia ser feito em apenas uma cena. É bom que prestaram atenção nesse não tão pequeno detalhe e mostraram que a personagem não seria feita de boba em apenas dois minutos.

Mas enquanto Rhea e Lena conversavam, a Alex estava sendo sequestrada. E por mais que isso não influencie na reta final da temporada, esse subplot acabou sendo melhor do que o esperado. Pela primeira vez a forma de agir da Kara é questionada, e também pela primeira vez nós temos uma visão um pouco mais “realista” do que aconteceria se alguém com superpoderes voasse por aí prendendo pessoas. A vontade de ajudar da heroína e sua falta de pensamento estratégico criam complicações para os policiais, e é bom ver que isso tenha sido mostrado, mesmo que apenas durante uma conversa pouco amigável. Esse evento deixou bem claro as diferenças entre Kara e Maggie, e foi essencial para vermos o desenvolvimento das duas ao longo do episódio.

E falando na Maggie, esse foi provavelmente um dos episódios onde a personagem foi mais explorada desde sua entrada na série, e o resultado foi incrível. Floriana Lima mostrou uma atuação impecável neste episódio, em especial na cena onde conversa com sua namorada pelo computador. Aquele choro foi real, e é impressionante o tanto que ela conseguiu passar de emoção naquele momento, foi o bastante para fazer com que esquecêssemos por alguns segundos que a Alex jamais morreria dessa forma tão aleatória. Mas mesmo que tenha sido o maior destaque, ela não é a única que merece elogios: Melissa Benoist também conseguiu convencer nas cenas mais exigentes, e o vilão do episódio (interpretado por David Hoflin) também convenceu, mesmo não sendo nada de muito especial.

Alex mostrou esforço dos roteiristas em não descaracterizar uma das personagens mais importantes da temporada, ao mesmo tempo que deu para outros membros do elenco a chance de brilhar em suas atuações. No geral, o episódio foi muito bom, e mesmo que tenha sido difícil acreditar que a Alex morreria, o clima de tensão foi muito convincente. Faltando três episódios para acabar a temporada, Supergirl vem com força total para encerrar seu melhor ano até aqui.