Arrow | 5×23 – Lian Yu

Antes da estreia da quinta temporada de Arrow nem mesmo o mais otimista dos fãs conseguiria prever um renascimento tão grande assim. A série não só conseguiu melhorar, mas cresceu o bastante para trazer ao público uma temporada praticamente impecável, provavelmente a segunda melhor entre todas até aqui. E nessa situação Lian Yu foi o encerramento ideal.

Os roteiristas conseguiram unir, em menos de uma hora, um elenco enorme e fazer com que cada um deles tivesse pelo menos um momento interessante (nem que fosse uma frase bem colocada), e ainda sobrou tempo para gerar um dos mais dramáticos finais de Arrow até hoje. Esse foi o típico episódio que te deixa grudado na tela o tempo todo, e aquele final é do tipo que faz com que os meses de espera para a próxima temporada pareçam anos.

Agora sendo mais específico para tentar entender como tudo deu tão certo, o primeiro fator que precisa ser levado em conta foi a dupla de adversários que roubou a cena da temporada toda: Oliver Queen e Adrian Chase. Para quem achava que as atuações de Stephen Amell e Josh Segarra não poderiam surpreender mais, Lian Yu acabou sendo uma grata surpresa. Apresentando um Adrian enlouquecido e extremamente convincente, Josh cimentou seu lugar como um dos melhores vilões da série. Se Slade Wilson não fosse um personagem com tantos fãs desde antes da série (e não tivesse sido tão bem representado), é possível que Prometheus tivesse o lugar de melhor só para ele.

Amell, de modo parecido, soube explorar muito das emoções de seu personagem. Oliver já tinha sido pressionado em cenas dramáticas algumas vezes e nunca desapontou, mas desta vez a atuação de Stephen foi muito além do que se poderia esperar. Mais do que “não decepcionar” ou “ser convincente”, o ator conseguiu dar vida às cenas de modo brilhante, com uma atuação realmente fantástica. Parece que as piadinhas sobre ele não poder atuar agora já não têm mais justificativa.

Outro fator importante foram os flashbacks, que além de pura e simples qualidade nessa parte da história, também chamaram atenção porque contribuíram muito com a sensação de nostalgia que o episódio gerou. Lian Yu parecia um episódio antigo de Arrow, foi como voltar para a época em que a série não parava de crescer e cada episódio surpreendia mais que o anterior. Para um fã que acompanha tudo desde o começo isso com certeza traz muita alegria.

E se falamos em nostalgia é impossível não citar o retorno do vilão, que foi tão bom que fez com que muito do que veio depois dele parecesse ainda pior do que já foi. Slade Wilson teve um papel grande na história e isso deu muito certo. As duas traições falsas foram meio forçadas (só a segunda teria sido melhor), mas de resto foi bem interessante ver a forma como o personagem mudou. Sem o efeito do mirakuru ele é um aliado extremamente poderoso e provavelmente um dos que mais consegue entender o Oliver. Manu Bennett conseguiu mostrar em sua atuação que Slade não era mais o mesmo, e foi bom vê-lo novamente.

Mas além dessas questões mais gerais o episódio também foi marcado por vários momentos específicos muito bons. O combate entre a nova Canário Negro e a Black Siren foi muito intenso e provavelmente será usado como ponto de partida para que a Dinah finalmente aceite o manto por completo. E ainda falando da Black Siren, sua interações com o Quentin também trouxeram momentos interessantes (especialmente o alívio cômico no final). O combate entre Nyssa e Talia também foi bom e nos trouxe um pouco mais da história pouco explorada das filhas de Ra’s Al Ghul, mas pareceu curto demais. E, é claro, não podemos ignorar o retorno da mãe do Oliver para uma breve cena no flashback. Realmente não esperava por isso e essa boa ideia dos roteiristas acabou criando um momento bem especial dentro do episódio.

Lian Yu foi o encerramento perfeito de uma ótima temporada. Ação, drama, nostalgia e um cliffhanger absolutamente incrível (mesmo sabendo que ninguém importante deve morrer) fizeram deste o melhor season finale de Arrow até hoje. Foi, com certeza, a forma perfeita de encerrar este quinto ano da série, porque não só foi condizente a qualidade da temporada, mas também deixou todos na expectativa para o que virá a seguir.