Nerd de Pijama | Origins

Férias, finalmente aquela época do ano em que você vai dormir maratonando todas as séries que atrasou durante o semestre ou vai virar a noite lendo aquele livro… E tudo isso sem hora alguma para acordar. Ou não, dependendo da sua vidinha nerd e, claro, administração de tempo entre trabalho/faculdade/rolês/vida amorosa. Sinceramente, esta nerd de pijamas que vos escreve não encontrou lá um bom tema para começar a coluna, mas a Força de que surgirão mais assuntos com o tempo está presente e é forte. É neste momento que você poderia dizer: mas ela poderia começar falando da polêmica sobre o salário da Gal Gadot em Mulher-Maravilha ou sobre o que esperar da Comic-Con de San Diego deste ano… Só que não. No exato momento, eu estou com esse problema criativo chamado listas de livros, filmes e séries para ver, e tudo o que me dá vontade é dormir.

Em algum momento na vida, segundo já me contaram, é mais do que normal ficar saturado de ver séries ou filmes e o seu tempo parece não acompanhar a leva de produção de conteúdo do mundo do entretenimento. É fato que após tantos problemas (financeiros ao meu ver) não temos mais que esperar uma Fall Season chegar para ver séries (a Summer Season está aí para nos atolar de episódios – nem sempre bons). Obrigada, criadores de Queen Sugar e Queen of the South, por fazerem o contrário disso e me presentear com estas duas grandes obras, amo vocês!

E claro, a vida financeira não nos ajuda a estar toda santa quinta-feira na fila do cinema com, no mínimo, um balde de pipoca para ver as estreias da semana. Já viram o preço de uma pipoca pequena no cinema? Absurdo! Acredito que nem preciso comentar o dilema eterno de quem ama livros: nunca ter tempo para ler tudo que gostaria e sempre querer comprar mais um com aquele cheirinho gostoso que nos atrai tão perdidamente para dentro das livrarias…

Mas se pararmos para pensar bem, a vida está cheia destes pequenos dilemas e reclamações que para nós, nerds consumidores do entretenimento atual, é a vida em si. Tempo, segundo uma canção do Renato Russo, deveria ser algo que nós teríamos que ter. É neste momento que o paradigma das nossas vidinhas entra em jogo: até onde somos fãs/nerds e quando começa o consumismo capitalista infinito que rege nosso mundo atual. É realmente necessário ver aquela nova série da Netflix, já que toda semana sai uma nova praticamente?… Ultimamente o antigo nicho intitulado nerd caiu no planejamento de marketing dos empresários e cá estamos nós contando moedinhas para comprar mais uma blusinha com o logo de Hogwarts ou da melhor casa bruxa que há, a Corvinal.

No fim das contas, a vida de um(a) nerd de pijama virou esta: sem tempo para nada, dinheiro para nada e ainda não decidir entre ler um livro, maratonar Game of Thrones, terminar de jogar Arkham Knight ou deitar para o lado e dormir com um moletom bem quentinho. Mas garanto: os próximos textos terão um pouco mais de conteúdo atual e, claro, as referências necessárias para ficarmos deitadinhos nas nossas caminhas, mergulhados nos mundos que tanto amamos.