The Orville | A aborrecida paródia de “Star Trek” do ultrapassado Seth MacFarlane

Os veteranos de Fall Season sabem que em toda alta estação de séries existe uma tendência. As vezes os shows pendem para o drama familiar, outras vezes para antologias criminais, mas parece que esse ano a onda são as comédias fantásticas, sejam elas puramente sci-fi ou apenas com elementos incomuns ao feijão com arroz americano. O canal FOX, por exemplo, está apostando em Ghosted e The Orville, mas a julgar pelo aborrecido piloto da segunda aposta, a emissora da raposa continuará amargando audiências pífias como nos últimos anos.

Nunca fui fã do humor de Seth MacFarlane. O criador de Family Guy entrou faz um tempo num looping semelhante àquele que mantém o humor enlatado e patético de nomes como Adam Sandler e Rob Schneider nas listas de bombas anunciadas. No entanto, o pior deste piloto de The Orville é que ele claramente vem querendo pegar carona no novo revival de Star Trek, o que automaticamente faz a gente torcer o nariz para a empreitada já nas primeiras cenas. Sem nenhum valor de produção e com uma direção de arte que lembra Doctor Who nos seus piores momentos, o episódio se estende por quarenta e cinco minutos do mais puro tédio.

A história pretende contar as aventuras da nave exploratória U.S.S. Orville e da sua tripulação, visitando planetas e as mais variadas civilizações. O cockpit é composto pelo capitão Ed Mercer – o próprio MacFarlane na atuação ruim de sempre –, a primeira oficial Kelly Grayson (Adrianne Palicki), que também é a ex-esposa de Ed, e um monte de outros componentes estereotipados que não possuem tempo de tela o suficiente para que possamos falar sobre. Pronto, The Orville não é nada mais do que esse plot sem inspiração.

MacFarlane no passado já apresentou paródias que se tornaram clássicos do humor, como os episódios de Family Guy recriando Star Wars, mas aqui nada faz o mínimo de esforço para ser relevante. O mais engraçado é que em vários momentos eu senti que o próprio show estava tentando se levar a sério demais. Ao invés da paródia escrachada, me pareceu que o roteirista estava mais interessado em criar uma trama que se transformasse numa comédia romântica trekker que ninguém quer acompanhar.

Esta Fall Season não terá tantos pilotos disponíveis como nos anos anteriores. As emissoras reduziram as encomendas, o que facilita a escolha e também as apostas. Tenho certeza que algumas surpresas vão despontar, mesmo que a gente esteja na era da peak TV, porém essa surpresa com certeza não será The Orville. Um desperdício de tempo que não vale o mínimo esforço para ser despendido.