Chocante | Elenco se reúne em São Paulo para falar sobre o filme

Ao ver os nomes do elenco, torna-se simples classificar o filme Chocante como uma comédia. Entretanto, após sair da sessão exibida para a imprensa, a sensação que ficou é a de que o longa possui um toque de drama em sua história. Reproduzindo a realidade de muitas boy bands atuais e antigas, o núcleo composto por Bruno Mazzeo, Marcus Majella, Lucio Mauro Filho, Bruno Garcia e Pedro Neschling retrata um grupo de homens adultos insatisfeitos com a vida, tentando reconquistar o brilhantismo da fama adquirido na época. Para divulgar o filme, na última terça-feira (26) os diretores Johnny Araújo e Gustavo Bonafé se reuniram com alguns dos atores em uma coletiva realizada em São Paulo.

Iniciando o bate-papo, o ator Lucio Mauro Filho falou sobre o que diferencia este longa dos demais existentes. “Nosso filme entrega uma comédia para o público que espera isso da gente, mas não é só isso. Aqui nós encenamos a história de brasileiros reais, sonhadores e com verdadeiros problemas. Seja um conflito de pai com filha, de irmãos separados pela mágoa, todo mundo que tem família vai se identificar“, disse.

Em seguida, o produtor Augusto Casé falou um pouco mais sobre a concepção do projeto e expôs os motivos que o caracteriza. A princípio, ele disse que o trabalho levou cerca de três anos até ser concluído e enfatizou que se interessou pela obra devido ao frescor da ideia presente neste universo. No entanto, Casé afirmou que sempre busca implementar coisas novas nos longas que faz, ato que o propícia a sair dessa esfera genérica presente no cinema nacional. “Tenho certeza de que fizemos um longa divertido e emocionante, certamente fora da palheta das comédias brasileiras apresentadas atualmente“, explicou.

Abordando de modo geral a personalidade dos personagens, o ator Bruno Garcia explanou sobre as motivações e características das personas envolvidas no projeto. “Esses caras meio que pararam na adolescência quando a banda foi dissolvida após a sucessão de um acidente, então é interessante falar de pessoas adultas que possuem um comportamento ingênuo. Todos reconhecem que é uma péssima ideia voltar com a banda, ninguém em sã consciência acharia que isso daria certo, mas eles não conseguiram crescer para recalcar essa questão. No entanto, isso torna a história singular, e por isso que ela virou filme“, evidenciou Garcia.

Complementando este pensamento, Casé falou que considera a trama muito atual e expressou uma visão íntima sobre o tema escolhido. “Acredito que esse filme seja uma ação entre amigos, então isso é uma coisa que me toca muito. Além de fazer referências ao pop, nós conseguimos falar sobre o dia a dia, bem como o valor da amizade. Por isso ele meche com todos os meus sentimentos“, disse.

Além de atuar, Bruno Mazzeo surge como coautor e produtor de Chocante. Mostrando-se multifuncional, ele comentou sobre as vivências pessoais colocadas no filme e explicou que se inspirou em programas de televisão da época para retratar os elementos que desejou transmitir. “Quando você escreve é natural trazer experiências e sensações vívidas. Portanto, fatalmente tem experiências nossas ali. Para recriar o cenário pop da época nos inspiramos em clipes musicais de boy bands e no espetáculo do Chacrinha“, completou.

Encerrando a coletiva, Augusto Casé demonstrou, assim como muitos outros produtores, a dificuldade que encontra em competir com a bilheteria de títulos estrangeiros no Brasil. “Faz dez anos que estamos enfrentando morcegos, super-heróis e todo tipo de personagem criado em outros filmes. Então nosso diferencial é acreditar muito no que a gente faz, expressando um cuidado com aquilo que estamos concluindo“, finalizou o produtor.

Chocante estreia nesta quinta-feira, 5 de outubro, nos cinemas brasileiros.