Lucifer | 3×01 – They’re Back Again, Aren’t They?

Lembra como terminou a temporada anterior? Pois bem, começamos esta de onde paramos: Lucifer ainda está no deserto – que não é o inferno e nem o céu, mas sim os arredores de Los Angeles. Ele só passou dois dias em off e volta aqui de uma forma bastante inesperada com suas queridas asas: ele reencontra um ex-condenado que colocou na cadeia com Decker e está em rota de fuga, pede roupas e pega o carro forte para reencontrar a civilização. E depois de um bom banho, ele tenta se redimir com Linda, que não aceita muito bem todos os requintes e diz estar bem com o pedido de desculpas do amigo.

Lucy esconde por um tempo suas asas de Amenadiel – o que gera um conflito entre os dois mais adiante no episódio que foi bem pacífico, já que o filho favorito de Deus passou o tempo inteiro em crise existencial e só ficou bem após levar um sermão religioso de ninguém menos que Ella. Senti muita falta da Maze, mas convenhamos que os níveis de hotness foram atualizados com a entrada em slow motion do Tom Welling – agora sim um Superman digno, viu… O seu personagem é um novo capitão super famoso que Ella é fã, e ele parece não ligar muito para os meios e só para os resultados obtidos por Decker, Lucifer e Daniel.

O caso do dia foi referente ao nosso anjo caído tentar provar para Chloe que alguém o raptou de fato, o que os levou a descobrirem outro corpo no mesmo lugar no qual ele acordou com suas asas e, sucessivamente, as provas levaram o time a encontrar um jogo criptografado em que os participantes eram vítimas de sequestro e morte por seus inimigos. Quem mandou raptar Morningstar? Um homem misterioso chamado O Pecador, alguém que Amenadiel já ouviu falar e que, pelo visto, o assusta. O Pecador também parece ser poderoso no mundo dos humanos, pois conseguiu tirar o raptor de Lucifer da cadeia – mesmo depois dele ser preso com todas as provas – e matá-lo, como vimos nos minutos finais do episódio.

Abrindo as asas e a imaginação para teorias, já vimos que provavelmente o personagem de Welling pode ter algo com o plot místico de Lucy e Deus. Também já vimos que as asas novas não podem ser simplesmente cortadas por um demônio – ainda que não tenhamos visto Maze em cena realizando o ato – e nem pelo próprio Morningstar, pois elas crescem de volta. Vimos ainda que ele perdeu seu rosto monstruoso de rei do inferno, o que me leva a pensar que alguém vai ficar no seu lugar no momento, e ainda me pergunto: se ele realmente queria mostrar à Chloe a verdade, por que não simplesmente abrir as asas? O que é menos assustador do que a cara de demônio sangrento dele, imagem que ele faz questão de manter, por sinal.

Bem, meus queridos e queridas, Lucifer voltou de maneira bastante introdutória, mas não chamou muito a atenção. Foi bom rever o sarcasmo cru do dono da Lux? Sempre é. Porém, depois daquele finale, esperava mais do retorno da série. Tomara que as coisas esquentem por aqui e não fiquem tão boazinhas quando o rosto do nosso querido Tom Ellis.