Scandal | 7×07 – Something Borrowed

Something Borrowed é o sétimo episódio da reta final de Scandal e nos deixa várias duvidas, mas infelizmente algumas delas não são boas. O maior mistério da Winter Finale é o que realmente aconteceu com Quinn. Como o espectador já sabe, no episódio passado ela sumiu no dia do seu casamento com Charlie, deixando todos desolados e uma Olivia muito preocupada e principalmente culpada. Por quê? Quinn sabe do maior segredo que a rainha de Washington esconde no momento: o assassinato do Presidente Rashad e sua sobrinha.

Mas, como de costume em Scandal, a trama principal deu uma desandada e ficou tudo um pouco desanimado durante este episódio. Isso passa um certo medo ao espectador, já que não sabemos o que vai acontecer no final, mas ninguém quer que o time de escritores de ShondaLand nos faça perder tempo com episódios mornos. Para uma Winter Finale, aconteceu pouca coisa.

Alguns personagens continuam voando pela trama, como Abby, David e Cyrus, que só são mostrados para elevar o fator romance no seriado. Já Marcus voltou com boa presença, e se a audiência fora dos Estados Unidos estivesse disposta a dar uma chance a Fitz, poderíamos até arriscar querer ver um plot bem desenvolvido entre os dois e o projeto social que o ex-presidente está desenvolvendo. Mas foram seis temporadas aguentando Fitz e ninguém está mais ligando.

E falando em Marcus, ele e Mellie continuam pisando em ovos, o que é muito frustrante porque existe muita química entre os atores. Seria muito bom ver mais cenas entre eles. A presidente está se sentindo usada por seu ex e acha que Fitz faz isso através de Marcus, então em todas as cenas nas quais eles aparecem acaba rolando apenas uma discussão.

Dito isso, Charlie e Huck continuam frustrados pelo sumiço da noiva e Liv enfrenta seus fantasmas familiares durante o episódio todo, fazendo ameaças e querendo cortar cabeças. Algumas das fórmulas aqui já estão bem batidas, como por exemplo as cenas em que Liv e seu pai se enfrentam. Em todas elas, não se sente mais aquela sensação de estar torcendo por um deles e querer que aquilo acabe logo. O que é uma pena, porque Kerry Washington e Joe Morton são excelentes. O que deu um pouco de pimenta no sétimo episódio desta vez foi a volta da mãe de Olivia, que para mim é mil vezes mais interessante que Papa Pope. É gostoso ver quando a matriarca joga algumas coisas na cara da filha que ela precisa ouvir, diferente da mesma ladainha que Eli elabora diante da filha.

Além disso, o mistério do fim do episódio pode dar um gás para a reta final da série. Aliás, algo tem que dar, porque o começo da sétima temporada apresentou episódios muito bons e bem escritos, mas agora Scandal vem deixando a desejar. Espero que não demore até o término da temporada para o novelão bombástico de Shonda se redimir. Os novos capítulo voltam só em janeiro com um assassinato para ser desvendado, e seria corajoso a morte do tal personagem ser verdadeira ao invés de um blefe, mas acredito que a fanbase de Scandal colocaria o Estados Unidos abaixo.

É esperar para ver até dia 18/01, torcer para mais destaque aos personagens flutuando na trama da série e vermos um pouco mais de Mellie na presidência e na vida real, já que ela é a personagem que tem mais a acrescentar nesta reta final devido à sua amizade ambígua com Liv.