Scandal | 7×11 – Army of One

Não é carnaval no universo Shondaland, mas a trilha sonora do episódio desta semana de Scandal poderia ser muito bem “Que Tiro Foi Esse?“, já que a produção parece ter parado de enrolar com o roteiro e as coisas estão voltando a ser o que eram antes com direito a tiro, hackers e muita traição. Além disso, Army of One pode ter nos apresentado a faísca do começo da redenção de Liv. Confira o que aconteceu no episódio que nos deixou mais animados para o crossover entre Scandal e How to Get Away with Murder.

No episódio anterior, Liv conseguiu enganar quase todo mundo e não renunciou sua posição de Chefe do Gabinete, mas Jake deu um jeito de trair sua ex, no pior sentido da palavra traição. E depois de persuadir Mellie, o almirante virou o novo Chefe da Casa Branca. A presidente, então, tem uma conversa bem franca, deixando claro estar magoada com a amiga e que sabe de tudo que a comandante do B613 fez ao ordenar que Rashad fosse morto. Enquanto Liv e Mellie se desentendem na Casa Branca, o antigo OPA ganha um caso e os desanimados Huck, Abby e Charlie (que ainda esconde o segredo de Quinn) tentam resolver o caso de um servidor do governo que recebeu dinheiro da máfia Rússia por engano, mas o que eles ainda não sabem é que tudo isso tem dedo de uma ressentida Olivia, que está a ponto de perder o poder de mandar em toda a nação norte-americana.

Enquanto isso, no núcleo Síndrome de Estocolmo do novelão, temos uma já arrependida Quinn recebendo ameaças de Papa Pope, que não quer sua sequestrada planejando matar Liv, nem quer ouvir que sente falta da filha e gosta de ter um bebê em casa. Os personagens negociam a saída da mãe de Robin, mas a gente não chega a ver Quinn saindo da casa de Rowan por um simples motivo: ela está mentindo e ainda quer caçar Liv.

Enquanto Olivia ainda não sabe que sua amiga, ou ex-amiga, está viva, ela começa a atacar Jake por todos os lados, chegando a hackear o sistema da Casa Branca, e apela até para Cyrus, que está completamente desgostoso com a Presidente e sua decisão de manter Ballard no comando do Gabinete. O vice propõe à sua eterna inimiga que ambos armem um golpe para Mellie, e é aqui que entra o caso do antigo OPA. Foi Olivia que depositou todo aquele dinheiro na conta do cara porque ele estava pegando a mulher de Jake e a cuidadora de casos fez questão que isso viesse a público. Com toda essa confusão, Mellie assinou um papel que não deveria e tudo isso é motivo para que a presidente sofra um impeachment. Liv se mostra indignada com Cyrus, e aqui o espectador já percebe o quanto ela está enojada consigo mesma e com tudo que vem acontecendo, mas a fome de poder é maior, sempre maior, e isso pode atrapalhar tudo.

Sem muita cerimônia, enquanto Mellie está prestes a fazer uma mamografia – e aqui todos já estamos com medo de que Shonda e seus roteiristas inventem um câncer para a personagem -, Olivia, sempre muito dramática, tal qual o pai, avisa à sua antiga chefe que está prestes a anunciar o fim da carreira da presidente, deixando Mellie sem chão. As cenas entre Kerry e Bellamy são sempre um show à parte dentro da série, e essa não foi diferente.

E enquanto o destino de todo mundo está sendo colocado à prova, Quinn finalmente sai da casa de Rowan e vai direto ao apartamento de Olivia com o intuito de machucar sua agora inimiga. As duas obviamente discutem enquanto a dona de Washington tenta se explicar e, ao mesmo tempo, salvar a vida da mãe de sua afilhada, já que Liv é chefe do B613 e mata-lá seria a sentença final de Quinn. É aí que os roteiristas de Scandal resolvem brincar conosco, fazendo com que Olivia tome um tiro (de quem? Não dá para saber), e enquanto Quinn foge a pedido da filha de Rowan, é para o pai que Liv corre, já que ela não poderia procurar um hospital. Enquanto Rowan cuida dos ferimentos de sua filha, ela desaba e começa a chorar, principalmente sobre Quinn a odiar, e vemos um momento estranho entre pai e filha no qual, talvez, pela primeira vez no seriado, Papa Pope tenha expressado seus sentimentos de um jeito quase normal.

Retornando à Casa Branca após o susto do tiro, nossa anti-heroína Olivia – que deve estar finalmente se olhando no espelho e talvez com medo de se tornar um Cyrus da vida – readquire um pouco de dignidade, cessa o fogo contra Jake e renuncia sua posição de Chefe do Gabinete, dando um discurso emocionante sobre Mellie e mostrando o quanto ama a presidente. E quanto à Quinn, finalmente todos sabem que a personagem não morreu e está de volta à Quinn Perkins & Associates, que corre o risco de fechar depois do falso caso que Liv jogou para cima deles.

A série ainda precisa nos dar muitas respostas, mas o roteiro deste episódio foi bem satisfatório e levanta várias questões. O que Olivia irá fazer agora que não comanda mais a Casa Branca? O mais normal seria a personagem terminar a série no OPA, onde tudo começou, mas existe um leque de possibilidade e não vamos sofrer antecipadamente com uma Mellie Grant sozinha e rodeada por Jake Ballard, agora muito poderoso, e um amargurado Cyrus, que mostrou ainda ter personalidade. Que venha o crossover e algumas respostas para essas questões!

LoGGado

Notícias, Críticas, Reviews e Podcasts descontraídos sobre o mundo das séries, filmes, cinema, TV, música e entretenimento!!