Nerd de Pijama | O mundo está ao contrário e ninguém reparou

Brasil, março de 2018. Segunda semana do mês. Uma semana tensa… e não só para os sonhadores, como diria Amélie Poulain. São tempos difíceis, daqueles que o Dumbledore nos pede para lembrar de acender a luz. Mas a única luz que a gente consegue ver é das velas dos funerais que nos cercam. Primeiro perdemos o gênio deste último século. No dia 14, Stephen Hawking se tornou uma estrela maior e foi de encontro ao universo que tanto quis explorar. No mesmo dia, Marielle Franco foi assassinada no Rio de Janeiro, só por ser ela mesma e sonhar com um mundo melhor. É quando a gente lembra que os bons se vão e os ruins ainda ficam para ver se tomam jeito.

Mas está muito difícil. Será que o Chorão tinha percebido um padrão do vai e vem das almas para escrever sobre os dias de luta? Bom, até aqui só podemos dizer que parece só o começo destes. Diante de tudo o que vamos vivendo, aprendendo e tentando não deixar nos derrubar, seria até mais fácil culpar o Barry Allen de ter mudado tudo quando ferrou a linha do tempo. Também seria mais fácil apontar o dedo para um só culpado, nem que demorássemos 22 semanas para tirar seu poder e acabar com todos os seus planos como um vilão qualquer de série.

Contudo, o sentimento que fica é do beijo de um Dementador ou vários Dementadores. O vazio. A falta de esperança. A falta de luz no fim do túnel. Quando tudo está perdido realmente, só que pior, pois não precisamos de um só herói ou figura militante para tentar mudar o cenário devastador. A gente precisa de vários, uma Liga da Justiça mesmo ou uma horda enorme de Vingadores. Não para termos a certeza de que algo vai mudar na história da humanidade neste ponto, mas só para podermos respirar fundo ao acordar e levantarmos da cama ainda para encarar o mundo lá fora. Continuar cansa. Mas as lutas diárias também precisam ser superadas para que no final desta saga atual na qual vivemos a gente possa sentar no sofá, assim como o Comediante, para rir e abrir um cerveja gelada e lembrar dos bons e velhos tempos.

É depois de muito choro que venho construir este post. Depois de tantas dúvidas sobre o tema, eu só queria dizer basta. Basta esquecer o que é ser humano. Basta tratar o diferente como minoria ou fobia. Basta ficar olhando apenas para os pés, como disse nosso querido Hawking, e começar a olhar para as estrelas, ver se pelo menos o brilho delas nos orienta neste mundo caótico no qual vivemos. Mundo que mata mulheres, crianças, negros, gays, pessoas com esperanças e pessoas que teriam um futuro, não fosse pelo ódio alheio. E, mais uma vez, está difícil encontrar um ombro amigo no meio disso que te ofereça aquele chocolate após um encontro infernal com vários Dementadores. Só espero que no meio de tanta guerra a gente ainda possa continuar depois de tanto tempo e para sempre.

“Por mais difícil que a vida possa parecer, sempre terá algo que você pode fazer e ter sucesso.
Enquanto houver vida, há esperança.”


“Quado uma mulher de luta morre, todas nós morremos um pouco com ela. Marielle Franco, presente!”