Blindspot | 3×16 – Artful Dodge

Blindspot continua com o dom de um roteiro conciso, no qual as peças soltas estão sendo encaixadas perfeitamente. Esta semana tivemos o plus de benevolência do ataque final de Roman e, claro, o descobrimento de que Borden está de fato vivo. Lembram daquele segredo enorme que a Zapata estava escondendo de todos por conta da CIA? Justamente, a Operação Dragonfly, que está ligada à tatuagem de Jane, finalmente é desencriptada por Rich e Patterson e encaminha o time de Reade a uma conversa entre dois suspeitos sobre um suposto encontro.

No meio da discussão sobre a tal conversa, Tasha confessa tudo ao grupo e eis que é esta a história: após a explosão, Borden saiu bem ferido da casa e foi encontrado por ninguém menos que Tasha e Keaton. Este decidiu não entregá-lo ao FBI e usá-lo para ajudar a CIA, já que Borden tem vários contatos com terroristas, oferecendo sempre imunidade pelos seus crimes – algo que já vimos que a CIA nunca dará a ninguém. Com sua posição meio comprometida com os amigos, Tasha faz de tudo para se redimir e trazer Borden às claras, e quem sabe assim saber o que de fato aconteceu para que ele fosse pego jogando o corpo do seu ex-contato na CIA numa floresta.

Depois de ser finalmente contido por Kurt, o cara ainda tem a audácia de pedir para conversar com a Patterson e se desculpar por tudo. Sinceramente, viu… Mas o bom é que ele ajudou o time a impedir um bando de outros terroristas com os quais ele trabalhava disfarçado a lançar 20 mega bombas sobre cinco capitais importantes dos Estados Unidos. Não fez mais que a obrigação, né mesmo? Mas só de ver a cara de frustrado de Borden, deu para ficar satisfeito sobre a Patterson chorando mais uma vez e a Tasha perdendo – por ora, espero – a sua amizade.

Um dos pontos fracos do episódio com toda certeza foi Jane e Zapata tendo que desarmar as 20 bombas em menos de quinze segundos, pois o plano era que elas fossem distribuídas pela manhã para irem as outras cidades. De última hora me jogam que o plano não era este e que mais uma vez tudo levava a crer que Nova York seria destruída para sempre do mapa. O fato do time ter apenas 24 horas para encontrar os terroristas e as bombas foi bom, e contar com a ajuda local de alguns mendigos para tal também, contudo ficou meio off a adrenalina que sempre gostamos de ver dos nossos personagens em campo.

Claro que tudo ficou para que a pressão psicológica da Patterson tomasse conta do episódio, mas também quem diria que mesmo surtando ela conseguiria, com a ajuda de Rich, decifrar tudo e resolver o problema? Talvez seja o melhor amadurecimento de personagem da série até então, isso incluindo Jane e Kurt no meio de tudo o que passaram com Sandstorm.

Quem também passou por apuros foi o Roman, que após ouvir toda a verdade que move Crawford, teve um leve desmaio que o levou a um hospital particular no Rio. Óbvio que algumas coisas sobre ele seriam reveladas bem ali na frente do sogrão, então ele deixou escapar meia verdade sobre a droga que Jane usou para apagar sua memória e sobre o seu drama familiar. O velho até tomou dó do genro, então lhe pediu para deixar o passado de lado e se juntar nesta empreitada de conquistar o mundo com o terrorista. Pena que Roman só confirmou que iria tentar e sua mensagem para Jane foi justamente que ele matará o sogro num baile de gala que está próximo. Mais alguém acha que ele falhará nesta nova missão?