Desventuras em Série | 2×03/04 – O Elevador Ersatz: Volumes 1 e 2

A saga dos órfãos Baudelaire continua e você pode ter certeza que ainda há, infelizmente, muitos infortúnios para acontecer na vida dessas crianças. Antes de tratar mais especificamente desses dois episódios que abordam a estadia de Violet, Klaus e Sunny na luxuosa cobertura da Avenida Sombria 667, vamos chamar atenção para mais alguns detalhes importantes para melhor apreciação da história. O detalhe da vez é o elaborado jogo de palavras, que sempre foi presente nos livros e que a série está trabalhando muito bem.

No terceiro episódio, Lemony Snicket faz como sempre a abertura mencionando a diferença de se estar ansioso e nervoso, sentimentos rotineiros na vida dos órfãos desde o misterioso incêndio que destruiu não apenas a casa deles, mas também a vida como conheciam. No entanto, a palavra que irá fazer toda a diferença para a trama desses dois episódios é a seguinte: arenque. Se você não consegue imaginar como um peixe pode fazer tanta diferença para o enredo da série, esperamos que a leitura deste texto até o final permita com que a ideia se torne mais clara.

Posto isso, vamos agora comentar o que levou os órfãos à já citada cobertura de luxo. Após descobrirem que o treinador Genghis era de fato o Conde Olaf e que este havia, mais uma vez, fugido e levado consigo os trigêmeos Quagmire, a polícia fica na cola do dito cujo – embora ninguém tenha a menor ideia de onde ele esteja – e são espalhados cartazes de procurado por toda a cidade. A fim de (tentar) proteger os órfãos, o Sr. Poe os leva para seus novos tutores: Jerome e Esmé Squalor, residentes desse prédio de luxo.

O que falar desses tutores que mal conhecemos e já consideramos muito? A verdade é que há muito a ser dito e a primeira coisa da lista é que infelizmente e, mais uma vez, nada é tão bom quanto parece ser. Jerome é de fato um homem muito gentil e prestativo, que realmente gosta dos órfãos e queria ter sido tutor deles desde o início. O problema é que homens muito gentis e passivos como Jerome tendem a ser também bastante submissos e até mesmo “trouxas”, a ponto de serem facilmente manipulados por mulheres de personalidade forte. E é exatamente isso que Esmé é.

Logo de cara fica claro quem é que manda naquela relação e antes Esmé não queria ser tutora dos órfãos, pois eles estavam “out“. O que nos leva a dois conceitos importantíssimos: in e out, que significam basicamente estar na moda e estar fora de moda. E quem será que determina isso? A mídia, é claro, mais especificamente o jornal mais desinformado que você vai ter o desprazer de ler: O Pundonor Diário. E Esmé, assim como a maioria das pessoas ricas e sem muita coisa para fazer da vida, segue essas determinações à risca. Inclusive ternos risca de giz estão super in também, assim como órfãos passaram a estar e, por isso, ela os aceitou.

É claro que essa história de in e out veio como requinte de crueldade apenas para complicar ainda mais a vida dos Baudelaire e dos incansáveis voluntários – contando agora com uma bibliotecária – que tentam ajudá-los. Só para dar um exemplo: a cobertura fica no 46º andar e elevadores estão out, logo todos precisam usar as escadas. Assim você tem uma ideia de como a situação dos irmãos sempre acaba ficando muito pior logo depois de parecer que vai melhorar. Para confirmar isso, logo de cara eles encontram novamente com o não tão foragido Conde Olaf, mais uma vez disfarçado, agora como um estrangeiro – que está muito in – chamado Gunther. Ele e Esmé estão planejando fazer um leilão juntos, algo que você tem toda razão de achar muito, mas muito suspeito. Encontrar com Olaf assim é muito desesperador, pois deixa claro para os órfãos que a polícia jamais o encontrará. Por outro lado, há um ponto positivo de tê-lo por perto: se ele está ali com sua trupe de capangas, significa que os trigêmeos também estão. Os Baudelaire decidem então procurá-los, mas é claro que não vai ser nada fácil.

Como dito anteriormente, as palavras e seus diversos significados são de suma importância para uma história como essa. Chegou o momento então de entender o significado da palavra ersatz, que faz parte do título desses dois episódios. Por mais que em alguns momentos tenhamos a impressão de que algumas palavras são inventadas, ou são atribuídas a elas significados diferentes, com ersatz é diferente. Essa é uma palavra de origem alemã, que significa “substituto”, mas que foi levada para o inglês, podendo significar, dentre outras coisas, algo que é falso. Quando falamos, portanto, de um elevador ersatz estamos tratando de um elevador que não existe de fato. O poço desse elevador, no entanto, que tem 46 andares de profundidade, é bem real. Inclusive é o lugar perfeito para esconder trigêmeos sequestrados e também para jogar certos órfãos que sabem demais.

Já adiantamos, a fim de não alimentar falsas esperanças, que não é dessa vez que os irmãos Quagmire e Baudelaire se livrarão das grades literais e figuradas de Conde Olaf. Além disso, fica claro que os Baudelaire têm agora outra inimiga: Esmé, que deseja obter vingança contra Beatrice – que você ainda não sabe direito quem é e com certeza deve estar muito curioso para descobrir – por ela supostamente ter roubado algo – muito possivelmente um açucareiro, que você também não entende ainda a importância – de muito valor. Ao longo dos dois episódios, o outro irmão Snicket dá algumas pistas de como toda essa confusão começou, mas não diz o suficiente para juntarmos todas as peças do quebra-cabeças. Fato é que realmente o açucareiro é a peça-chave de tudo. Resta anotar mais esse questionamento em nosso caderninho e continuar assistindo para desvendar o mistério.

Também não podemos deixar de mencionar que o quarto episódio possuiu um elemento inesperado e consequentemente bem cômico: um número musical. É isso mesmo. Nosso querido Conde Olaf é praticamente forçado por Jacquelyn e Larry, “seu garçom”, a cantar. Eles queriam impedir o Conde de sair do restaurante onde todos estavam almoçando e é importante ressaltar que mesmo que esses dois personagens não sejam originais do livro, encaixaram muito bem na história e representam, quem sabe, uma pontinha de esperança para os Baudelaire. O resultado da música foi bem interessante e quebrou um pouco com a sequência de acontecimentos, o que é positivo para o seriado não se prender em um modelo fixo de enredo.

E para finalizar, vamos ao arenque. A verdade é que a palavra-chave desses dois capítulos não é essa, mas outra bem parecida: araque. Podemos dizer que o elevador ersatz é um elevador de araque, assim como o restaurante que Olaf e seus capangas abriram para atrair as pessoas não apenas vendia arenque, como também era de araque. Outra coisa que pode ser de araque e causar muita tristeza a certos órfãos é uma pista. Ao final do quarto episódio o leilão acontece e os irmãos decidem comprar o lote cujo nome era C.S.C. por razões óbvias e por acharem que dentro dele estariam escondidos os trigêmeos. Essa, meus caros, é a pista de araque. O que havia na caixa era nada mais nada menos que Confortáveis Suportes para Copos. Quando perceberam que foram enganados era tarde demais e, pela sexta vez, Olaf conseguiu escapar.

É, meus caros, a situação não está nada fácil para os órfãos. Até porque, no final das contas, Esmé foge com Olaf e Jerome – um grande banana – não tem coragem de continuar sendo tutor dos três irmãos. A solução para esse problema vem depressa: uma cidade disposta a acolher órfãos que tiveram suas casas misteriosamente destruídas em um incêndio possivelmente criminoso. O nome dessa cidade? C.S.C.. Agora resta assistir para saber se esta também será uma pista de araque.