RED | A quarta temporada

A quarta temporada de RED estreou de forma bastante feliz para um projeto que começou lá em 2014 e vem crescendo graças não só aos fãs, mas também pela qualidade de trabalho que a equipe de produção tenta manter ao longo dos anos, mesmo com um orçamento baixo.

RED mudou, passou de uma websérie totalmente desconhecida a um fenômeno mundial, e foi antes da estreia desta temporada que se consagrou com prêmios e em eventos, como o New York Web Series Festival, Rio WebFest, São Paulo Web Fest e o Clexa Con. Direção, atuação, roteiro estrangeiro… Fora o alcance de quintal brasileiro para mais de 140 países. A série evoluiu, assim como o romance de Liz e Mel, aquele casal que estava num chove-não-molha na primeira temporada, para algo bem mais firme neste quarto ano.

Dito isso, vamos aos embalos dessas duas mulheres que movimentam a trama com uma química em cena de maestria. Mel ainda está de luto nos primeiros episódios pelo filho que perdeu, Liz está insegura sobre o que fazer diante do relacionamento e também sobre seu problema com as drogas. Ao longo da temporada as coisas vão mudando, como o apoio de Ana, Gaia e Eric, a presença da mãe da Mel e sua postura toda em relação à filha e seu novo namoro e, claro, novos elementos que foram sempre tocados com sutileza nas temporadas anteriores: Rafaela e Victoria. A primeira, ex-namorada da Liz, que a ajudou com sua dependência no passado e hoje se vê diante de uma boa amizade com a personagem de Ana Paula Lima. De fato, Gaby Haviaras nos passou um ar de ex-amigona e responsável com a qual sempre podemos contar.

Bela Carrijo é Victoria, a ex-namorada de Mel. Aquela mesma que a Mel sempre comentou ser super ciumenta e possessiva e, talvez, seu grande amor lésbico na vida até a Liz aparecer. Fora isso, vemos que a personagem também tem uma carga emocional grande a lidar. Temas como a sua saúde mental são abordados e a amizade entre ela e sua ex é o ponto mais delicado aqui, já que Liz também é ciumenta e se descobre insegura sobre o que está vivendo com Mel.

O casal Meliz passa também por momentos bons na temporada, como brigas e reconciliação, aquele clichê sapatônico de dividir apartamento… Mas nem tudo são flores para as protagonistas. E como a arte imita a vida, chegamos ao fim da temporada com pontos bem pesados, como uma decisão pesada da parte de Liz em relação ao namoro.

Ana e Rafa já tinham o pé atrás sobre a amiga estar nesta fase frágil e sua recaída com as drogas. Ah, e sobre este assunto, foi ótimo ver a personagem de fato encarar o problema, procurar ajuda e começar a se tratar novamente. Já sobre seu emocional, só desejamos força para que ela volte a ser, ou talvez não (as vezes a vida tem dessas mudanças), aquela mulher forte e segura de si mesma.

Sobre a personagem de Luciana Bollina, nós também só desejamos forças para ela encarar mais uma vez tudo o que lhe vem acontecendo. Contudo, as diferenças dentro do relacionamento e a aprovação da mãe são fatos que ela não conseguiu lidar bem e, diante do que aconteceu no final da temporada, não sabemos muito o que pode estar por vir da parte dela na trama.

A quarta temporada de RED também nos mostrou mais dois casais, Laura e Ana, e o recente descobrimento de Eric com Matias. E aí volta-se a tocar no assunto da bissexualidade, o que deixa as coisas ainda mais interessantes para o enredo da websérie, já que começamos a ver de uma perspectiva masculina agora. E claro que o casal Lauana também teve lá suas nuances de brigas e reconciliamentos, e nos resta saber o que vai acontecer com essas duas, que agora também não tem como não ser fã. Aliás, a Monique Vaillé tem em sua Ana o toque perfeito de mistério sobre a personagem, o que encaixa lindamente com a firmeza da Laura Menezes em cena.

Um dos pontos fortes da temporada foi a duração de episódios ter aumentado de maneira considerável, mostrando mais material, mais enredo e sem pecar em cenas desnecessárias, como vemos em muitas séries de grande nome por aí. RED tem este bom senso e sabe dosar tudo com um bom gosto que só deixa o espectador cada vez mais imergido dentro deste universo.

Uma boa notícia é que já começaram as gravações da quinta temporada e ainda está aberto o crowdfunding para ajudar a produção destas histórias tão bem feitas. E para o quinto ano nós só esperamos que o casal Meliz tenha algum futuro, o Eric saiba lidar com sua bissexualidade de forma madura e, quem sabe, Lauana não fique mais firme também com o passar do tempo? Afinal, o apego aos personagens é só um dos grandes detalhes deste projeto lindo que tenho a honra de acompanhar há alguns anos já. Boas gravações e simbora para a quinta temporada!