Crítica | Diário de um Banana: Caindo na Estrada

Greg Heffley está de volta e de cara nova. O famoso protagonista da série de livros Diário de um Banana, escrita por Jeff Kinney, é interpretado agora por Jason Ian Drucker. A direção é de David Bowers, responsável por Diário de um Banana 2: Rodrick é o Cara! e Diário de um Banana: Dias de Cão.

Este novo filme adapta a história do nono livro, Caindo na Estrada, no qual a família Heffley embarca em uma viagem para comemorar o aniversário de sua avó, mas, na verdade, seguindo os planos secretos de Greg, estão indo mesmo é para uma convenção de vídeo games. Isso tudo acontece após Greg ter se tornado “famoso” por um vídeo que fizeram dele e que viralizou no YouTube. Ele precisa recuperar sua dignidade e para que isso aconteça fará de tudo, incluindo enganar os pais. Na viagem tudo começa a dar errado: o carro tem problemas de funcionamento, os irmãos não se entendem com a mãe, o GPS indica o caminho errado e muito mais.

O filme explora o tão conhecido hábito norte-americano de viajar de carro durante as férias. É um momento dedicado à integração familiar e apreciação das paisagens do país, e com certeza era esse o objetivo da mãe de Greg, agora interpretada por Alicia Silverstone, mesmo que a princípio ela não tenha ideia do tamanho da dor de cabeça que terá para alcançá-lo. Um diferencial das personagens deste filme é que são todas extremamente caricatas, o que tira a seriedade dos adultos e acaba por derrubar a hierarquia, tornando possíveis os planos mirabolantes de Greg. A mãe só pensa em se livrar das tecnologias e proíbe celulares durante a viagem, supostamente com o apoio do pai, que na verdade usa seu celular para trabalhar escondido. Tudo isso contribui para o aumento das confusões.

Uma vez que este filme será assistido não apenas por aqueles que leram os livros, é importante que ele seja capaz de agradar o público em geral, não apenas os já fãs da série. Por esta razão é provável que peque por ser muito longo para um filme infantil – com 2h20 de duração – e por apresentar alguns personagens muito exagerados, como o homem barbudo que começa a perseguir Greg por razões muito bobas e pelo próprio irmão mais velho, Rodrick, por ser exageradamente burro. É claro que alguns diálogos entre a família se tornam mais cômicos devido à falta de noção do filho mais velho, porém há muitos momentos em que é demais. E levando em consideração que este tenta ser um filme para toda família, não apenas para as crianças, um personagem assim torna-se chato e desinteressante.

Mesmo assim é um longa que tem como objetivo promover a união familiar, ressaltando como essa tarefa se torna mais difícil com tantas distrações como celulares, vídeo games, vídeos na internet, etc. Ao mesmo tempo chama atenção dos pais a olharem para os filhos e se perguntarem se realmente os conhecem e sabem do que gostam. É uma comédia que não deve ser levada a sério e cumpre bem seu objetivo de entreter e divertir as crianças, tanto as que leram quanto as que não leram o livro. Para os pais talvez seja um pouco cansativo ou até mesmo bobo, mas é uma daquelas coisas que se fazem pelos filhos.