Lucifer | 3×05 – Welcome Back, Charlotte Richards

Lucifer continua na vibe de episódios bem escritos a ponto de que neste voltamos ao plot de Charlotte, tão bem desenvolvido que até perdoei terem demorado este tanto de tempo para dar fechamento à personagem dentro do enredo da série. O caso do dia foi um tanto cômico, já que a vítima morreu dentro de uma caldeira de preparação de pudim e tudo levava a crer que era um crime odioso por pura inveja da tal fórmula secreta do tal pudim, que é bem consumido por sinal. Do chefe da empresa ao concorrente da mesma, passando pela diretora comercial e também sócia, os três suspeitos prioritários do caso são clientes de ninguém menos que Charlotte.

Obviamente a recapitulação do que vem acontecendo com ela desde que a mãe de Lucifer abandonou seu corpo tomou as rédeas do episódio bem mais que o caso, e a forma como Morningstar lidou com isso me fez sentir orgulhosa do amadurecimento de si. Afinal, ao contrário de agir de forma imatura, Lucy acabou dando uma ajuda psicológica à advogada, resultando assim na paz de espírito da mesma depois de tudo que aconteceu. A perda de memória e o fato de que Daniel teve um relacionamento com ela também vieram à tona, mas graças ao nosso anjo caído tudo terminou bem.

Charlotte ainda roubou a cena quando quis matar seus clientes por se sentir culpada de defender tantos bandidos, mas foi ouvindo o grande Justiceiro de Deus que vimos tudo se encaixar de uma forma tão suave no roteiro que eu realmente não tenho outras palavras a não ser obrigada. Afinal, você desenvolver algo assim só é resultado de uma boa escrita e, claro, de mentes brilhantes para dirigir e atuar e não deixar nada forçado nas cenas. Inclusive, até achei que esse plot deixou claro que o Lucifer realmente ouviu o irmão e agora está procurando outras características para si além de punir culpados. Amém, Amenadiel!

O caso resultou de fato em um suicídio, já que a culpa por afetar tantos consumidores de pudim foi tanta que a vítima só quis que a polícia investigasse as empresas que iriam se unir para matar pessoas com problemas no fígado com sua nova fórmula secreta. Um caso bem bolado também ao meu ver, e ainda bem que não tivemos o embuste do Marcus em cena, o nojinho foi instalado com sucesso no personagem, pois esse ar misterioso não aponta para lugar algum. E acho muito forçada a presença dele na série. Ou apresentam alguma relevância nele ou joguem para escanteio, assim como Daniel – que também não se encontrou ainda dentro da trama.

Bem, pessoal, Lucifer continua linda, charmosa e muito bem escrita, o que nos deixa felizes a cada semana que se passa e isso importa mais que Daniel e Marcus, não é mesmo?