How to Get Away with Murder | 4×06 – Stay Strong, Mama

Se I Love Her foi um episódio com diversas respostas sobre o turbulento passado de Bonnie e Annalise, Stay Strong, Mama foi questionador. O sexto episódio da quarta temporada de How to Get Away with Murder seguiu a ideia de se aprofundar nos dramas de seus personagens para explicar ao espectador os gatilhos que resultaram nas tragédias do flashforward – que agora está apenas a uma semana de acontecer.

Embora Annalise esteja retomando o seu prumo da ação juntamente a Connor, as coisas não andam nada bem para os outros. Frank, Bonnie, Isaac e os Keating Four começam a sofrer as consequências de suas mentiras e jogos sujos. Começando por Isaac, que reafirma a frase “faço terapia para lidar com pessoas que precisam fazer terapia” em suas cenas no consultório de sua psicóloga. Logo de cara dá para notar que a relação da dupla vai muito além do divã. Também pudera, os dois foram casados e tinham uma filha – que presumo que esteja morta.

Durante as sessões, entendemos o que as anotações de Isaac sobre Annalise ser um gatilho para ele significam. E mesmo sabendo que pode vir a ter recaídas – como já está começando a apresentar –, ele não dá o braço a torcer e insiste em continuar o tratamento da paciente. Com a informação dada por Bonnie de que a advogada perdeu um filho há muitos anos, ele precisa ouvir a história diretamente de Annalise.

O terapeuta pede a ela que escreva uma carta a Sam como forma de tentar chegar ao assunto da morte do bebê. Obviamente ela não consegue. Dois motivos. O primeiro é que a perda que ela mais sofria não era a de Sam ou Wes, mas sim da criança que não pôde criar. Segundo que, bem, seria uma carta um tanto quanto estranha. “Querido Sam, depois que meus alunos te mataram, homicídio se tornou uma rotina em nosso grupo, levando à morte, inclusive, de Wes. Ah, também fui presa por conta disso e agora sua irmã está me processando querendo ter parte do seguro da casa, que foi incendiada…”. Que agradável seria ler isso, não?

Nada agradável também é a situação de Bonnie. O ego e o vício em Annalise a cegaram a ponto da promotora decidir entrar com uma movimentação para tirar as casas dos clientes de Annalise envolvidos na ação coletiva. Dentre eles está Claudia, a ex-colega de cela da advogada, e seu filho Tyrone, que, a princípio, não confia em Annalise. Nesse momento vemos que Connor era um dos que mais dependiam da professora. O ex-aluno agora abraçou a causa de Annalise por completo.

De certa forma, o episódio reafirmou que ele foi o único que não conseguiu ficar bem após a demissão. Como na cena na qual os dois estão no quarto do hotel tomando sorvete enquanto pensam numa solução para o caso de Claudia e seus outros clientes. O momento mostrou uma relação muito além de mestre e aprendiz entre os dois, quando ambos se permitiram falar sobre coisas pessoais também e chegar à resolução de fazer um vídeo de Tyrone desabafando sobre a situação de sua família e mandá-lo para a imprensa. Genial.

Quem não anda nada bem é Michaela, Oliver e Laurel – e pouco depois, Asher. Pega na mentira no episódio passado, Michaela é confrontada pelo namorado, que acaba dando um fim na relação. Lá, ele acaba conhecendo Tegan, que está prestes a protagonizar um retorno inesperado de Mr. Castillo, pai de Laurel. Enquanto os jovens acreditam que a vinda dele é por conta da invasão nos dados jurídicos da Antares, na verdade ele possui uma carta na manga que está prestes a botar toda a casa abaixo.

Em um jantar constrangedor com sua filha, Mr. Castillo revela que abrirá as ações da empresa, o que justifica a ligação da Antares com a morte de Wes. O acordo de confissão de Wes com o promotor Denver implicaria em envolver o nome de Laurel – e, consequentemente, o de sua família – em diversos outros tipos de crimes, como o de Sam e Rebecca, o que atrapalharia o processo e daria prejuízos ao Mr. Castillo. Por mais que tenham outras questões ainda em aberto com relação à misteriosa morte de Wes, o argumento de Laurel faz sentido e é uma boa reviravolta para a reta final antes do hiato da temporada.

De volta à Annalise, que leva uma foto de seu filho para Isaac e conta a história de sua perda ao terapeuta, revelando uma tentativa de suicídio poucos dias depois da morte do bebê. Segundo ela, Bonnie foi a única que soube do caso. Pouco antes do flashforward, a advogada recebe uma visita inesperada: Jacqueline Roa, ex-mulher e terapeuta de Isaac. Com certeza não vai sair coisa boa disso mais pra frente. Para sermos mais exatos, uma semana depois, quando em meio ao caos das tragédias ocorridas na Caplan & Gold e no hotel de Annalise vemos a advogada sentada no chão do banheiro e sangrando.

Tudo indica que foi uma nova tentativa de suicídio, mas do jeito que a série gosta de pregar peças em seus espectadores, tudo é possível. Foi um ótimo episódio cheio de reviravoltas e revelações. Achei uma ótima jogada colocar Asher para pedir refúgio para BonBon e acredito fortemente em um “recordar é viver” entre os dois, mesmo que por pouco tempo.

Em uma semana muitas coisas podem acontecer. E os próximos episódios prometem seguir a onda de impactos no público, fazendo com que a série crie a expectativa de recuperar seu prumo, da mesma forma que Annalise Keating recuperou o dela.