Jane the Virgin | 4×04 – Chapter Sixty-Eight

O início da quarta temporada de Jane the Virgin até agora tem sido altamente focado em Rafael e sua autodestruição. Desde a perda do hotel, de Petra e as constantes brigas com Jane acerca da educação de Mateo, Rafael é basicamente uma bomba-relógio prestes a explodir. E essa reação em cadeia começa a pesar para ele no Chapter Sixty-Eight.

Também prestes a explodir, mas de saudade, estão Jane e Adam. Após o constrangedor momento final do episódio passado, o casal decidiu ficar uma semana sem se falar para que pudessem pensar na situação. O estranho é que mesmo caindo de paraquedas na história, Adam já conquistou o público, o que já ganha minha torcida. No entanto, agora é Jane que é a “menina problema” da história. É óbvio que ela sempre foi muito protetora e a maternidade reforçou isso, mas acho um pouco injusto ela cobrar de Adam uma posição tão fixa sobre Mateo – que vamos combinar, ainda não é nem um pouco fácil de lidar – tão rápido. Como a própria Alba disse, lidar com crianças não é fácil, e com uma criança que nem é sua de sangue, também não. O tempo foi bom para que eles pudessem refrescar as ideias e alinharem seus sentimentos outra vez.

O episódio também foi marcado pela dúvida incessante de Darci e Rogelio na escolha do nome de sua nova filha. Fiquei triste que minha aposta em Darcelia foi rejeitada, mas a escolha de “Baby Michaelina” foi sensacional e bem típica da dupla. Por mais que a homenagem tenha sido um tanto forçada, a intenção compensou. E ver Rogelio participando ativamente na vida de sua filha também. Esteban não é mais um obstáculo na vida dele, mas agora parece que Xo está com problemas com relação à bebê, já que ela sabe que caso se envolva demais com a criança, vai deixar seus sonhos e prioridades de lado outra vez.

Agora, por mais que seja ruim admitir isso, Jane foi, de longe, a personagem mais chata do episódio. Há algum tempo ela vinha criando brigas com a desculpa de que estaria fazendo isso para proteger a família. Mas em muitas dessas vezes ela não tinha nada a ver com a situação e acabava pondo os pés pelas mãos sem necessidade. E em Chapter Sixty-Eight ela assinou isso embaixo e ainda carimbou.

É óbvio que Rafael estava errado em usar Katherine para recuperar o hotel, mas de certa forma há mais coisas em jogo. Sem contar que Jane já tem 30 anos e se submeter a essas situações embaraçosas, principalmente quando pedem para que ela não se envolva, chega a ser patético. A cena da briga dela com Petra no parquinho foi ridícula e um apelo da protagonista para estar sempre certa, vamos combinar. Por outro lado, esquecendo o lado corrupto, por incrível que pareça, Petra tem sido mais madura do que Jane em muitas coisas.

E essa situação nos leva à Alba, que de fato foi o maior destaque da trama. A “sábia coruja” mostrou a Rafael que nem sempre é desvantajoso abrir mão de dinheiro para se livrar de certas coisas. E abriu os olhos de Jane ao dizer que mesmo sendo diferente dos princípios dela, Rafael toma decisões sempre em prol do bem-estar da família, assim como ela mesma. E de quebra ainda defendeu Adam! Como não amá-la?!

Embora de um modo geral não tenha sido um episódio muito divertido, Chapter Sixty-Eight teve seus momentos de suspense. Principalmente quando Anezka encontra Luisa e Carl prestes a incendiarem o hotel. O que mais chocou desse encontro, na verdade, foi a cena seguinte. Quando Anezka vai contar à Magda que viu a dona do hotel prestes a incendiá-lo e disfarçou apresentando-lhe um amigo, a irmã de Petra revela que não tinha ninguém lá com Luisa durante o encontro. SO-COR-RO!!!!

E se a alucinação de Luísa não for o suficiente, que tal isso: depois de conversar com Alba, Rafael decide esclarecer o seu posicionamento em sua relação com Katherine. E mesmo deixando claro que estava usando a empresária o tempo todo, na maior cara de pau, ele ainda insiste na negociação de compra do Marbella. Tem que ser bem trouxa para cair nessa, e Katherine, que de trouxa não tem nada, vai calmamente ao carro e acaba atropelando Rafael propositalmente. Seria isso um indício da morte anunciada anteriormente ou apenas uma distração pro público para o problema principal?

Conhecendo os roteiristas de Jane, é possível que esse suspense seja só para assustar a audiência. Até porque o atropelamento não pareceu tão grave. Talvez ele sirva mais como uma rendição para Rafael se libertar dessa ganância de recuperar o hotel a todo custo – e vamos combinar que a cena foi muito tosca para ser um marco tão importante para a série. Sem contar que, agora que Magda e Anezka sabem da alucinação de Luisa, acho que elas irão usar isso como benefício próprio e acabar criando uma emboscada para a dona do Marbella. Pensando mais além, ainda acreditaria em um plot twist no qual o feitiço viraria contra o feiticeiro, mas posso estar me adiantando muito. Então vamos aguardar os próximos episódios para começarmos as especulações em torno dos plots desta temporada que promete.