Marvel’s Runaways | A última e a melhor estreia das séries de heróis de 2017

E finalmente a última série de herói do Universo Marvel deste ano, produzida e exibida pelo serviço de streaming Hulu, estreou. Marvel’s Runaways conta a história de jovens que descobrem que seus pais são super-vilões disfarçados e, então, se juntam para fugir de casa. Assim, esses fugitivos começam a descobrir suas origens e passam a reparar os erros de seus pais com suas habilidades.

Ainda que 2017 tenha tido séries de heróis novas como The Gifted, Marvel’s Inhumans, Os Defensores e até O Justiceiro, além de todas as outras que já estão no ar, tanto da Marvel quanto da DC, Marvel’s Runaways traz algo diferente. Mesmo com o excesso de produções deste gênero na TV, ao assistir esta o telespectador pode ir além do esperado. Por mais que haja poder presente ali o tempo todo, e uma história vilanesca típica de algo baseado neste universo, este recurso não chega a ser o ponto principal e nem é usado ao extremo.

No decorrer do episódio piloto, fica claro que por mais que esses jovens tenham algum dom especial (que foi muito pouco mostrado, já que terminamos os primeiros 53 minutos sem saber pelo menos qual é o poder de metade desses adolescentes), o foco não é esse, mas sim tudo o que engloba a vida deles, que foi mudada drasticamente nos últimos dois anos por conta da perda de uma querida amiga.

Karolina (Virginia Gardner), Chase (Gregg Sulkin), Molly (Allegra Acosta), Gert (Ariela Barer), Alex (Rhenzy Feliz) e Nico (Lyrica Okano) são personagens (e atores) extremamente carismáticos e te fazem querer acompanhar e ficar curioso com a história que será contada a seguir. Todos eles têm suas personalidades bem definidas e só com este primeiro episódio exibido já dá para ter uma noção real de como cada um é e o que fará a seguir devido a sua personalidade tão marcante. Todos são diferentes ao seu modo, nenhuma característica entre eles se repete e todos marcam seu “território”. Esses seis personagens seguram os 53 minutos iniciais da série com maestria, é difícil alguém assistir ao piloto e não simpatizar ou até se identificar com pelo menos metade do grupo. Além disso, devido a esses personagens serem tão bem explorados, apresentados e desenvolvidos, o episódio (que é lento em sua história, pois não mostra nada além de dois dias na vida deles) passa bem rápido. Quando nos damos conta, o fim já chegou.

Mas em contrapartida ao elenco jovem, que faz um excelente trabalho em nos inserir nesta nova trama, o mais velho (os pais desses adolescentes) é um pouco acima da média em suas personalidades, apesar de todos executarem bem o serviço e de forma aceitável. Não chega a ser um incomodo assistir, mas todos eles, sem exceção, possuem suas características definidas até demais, sem passar pelo nível do normal, só do exagero mesmo. Em certos momentos de alguns pais, ficamos até esperando aquela risada tosca e maléfica depois de algo feito. Mas como já dito, isso não incomoda e com o tempo é fácil de se habituar.

Os efeitos e a edição desses minutos iniciais da história dos fugitivos são tão bem realizados que em alguns momentos da até para esquecer que é só mais uma série de TV. Claro que não chega a ser em um nível de cinema, mas parece que tudo foi feito com muita dedicação de toda a produção da série para deixar mais bonito de se acompanhar. Em certo ponto, somos brevemente apresentados aos poderes de Karolina, e essa é uma das melhores cenas de todo o piloto, nos fazendo desejar ver mais sobre aquilo quando a personagem tiver total domínio sobre o seu dom.

Marvel’s Runaways é definitivamente uma série teen com um quê a mais. Não é um novelão, como diversas produções do gênero podem ser, e nem é uma série com aquela pegada adulta no estilo Marvel/Netflix. É algo que fica bem no meio-termo, totalmente bem executada, com protagonistas extremamente carismáticos e com uma ótima história para contar.